ANO: 25 | Nº: 6334
31/12/2018 Retrospectiva 2018

A mobilização que afetou todos os setores da sociedade

Foto: Tiago Rolim de Moura

Motoristas fizeram filas enormes nos postos de combustíveis com a esperança de abastecer
Motoristas fizeram filas enormes nos postos de combustíveis com a esperança de abastecer

Por Gabriel de Bem
A greve dos caminhoneiros, que ocorreu no Brasil neste ano de 2018, mobilizou milhares de motoristas que protestavam contra o aumento do preço do óleo diesel, devido à disparada dos preços internacionais do petróleo. Em Bagé, a manifestação iniciou no dia 21 de maio, às 7h, na avenida Santa Tecla.

A mobilização em território nacional, que causou uma crise de abastecimento, atingindo serviços essenciais, como educação, saúde e mobilidade, durou cerca de 10 dias. Porém, ocasionou um efeito dominó e seus reflexos duraram meses, em diversos segmentos sociais e econômicos.


Setores afetados

Economicamente, os mais atingidos foram os postos de combustíveis e supermercados da cidade. As prateleiras e fruteiras sofreram uma importante escassez de produtos e a falta de combustíveis paralisou os transportes particulares e públicos. Com o anúncio dos governos de que caminhões seriam escoltados das refinarias até os postos, carros formaram filas enormes, que se estendiam diversos quarteirões.

Em Bagé, a mobilização fez com que as escolas tivessem as aulas suspensas. A mesma medida acabou sendo tomada pela Urcamp, que precisou suspender suas atividades nos dias 25 e 26 de maio, pela falta de transporte para os acadêmicos.

O mercado do leite também foi extremamente prejudicado. Sem transporte, a produção de leite, que é diária, acabou sendo completamente descartada, já que alguns produtores não possuíam estrutura adequada para estocar tanta quantidade por tantos dias. Isso acabou prejudicando as famílias que são pequenas produtoras e sobrevivem dessa atividade.

Os caminhões responsáveis pela coleta do lixo não saíram de suas garagens para realizar o recolhimento. Já o transporte coletivo teve seus trajetos e horários modificados pela falta de combustível. Outros segmentos do comércio que afetaram o consumidor final foram as distribuidoras de bebidas, que não possuíam mais bombonas de 20 litros de água mineral e as distribuidoras de gás de cozinha, que na ocasião, declararam estoques vazios.

Além do transporte urbano, os serviços intermunicipais do Rio Grande do Sul precisaram suspender as viagens, por orientação do Departamento de Transportes Rodoviários, o que ocasionou grandes transtornos para aquelas pessoas que precisam se deslocar constantemente por motivos de trabalho, saúde ou formação.


Legislação desconsiderada

Com todo esse transtorno gerado, até as leis de trânsito tiveram de ser desconsideradas, que foi o que aconteceu com motoristas que tinham “pane seca” em seus veículos. De acordo com o artigo 180 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), a infração pode gerar multa e remoção. Porém, a Polícia Rodoviária Federal acabou determinando que não seriam aplicadas multas nestes casos, durante o período de desabastecimento.


Impactos financeiros

Apesar da mobilização ter conseguido a diminuição de cinquenta centavos no valor do óleo diesel, essa atitude do governo federal impactou negativamente nas finanças municipais, já que essa redução correspondeu à Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico - Cide, que incide sobre cada litro do combustível e é revertida para a cidade. Entre os municípios da região, Bagé foi o que contabilizou a maior perda, estimada em R$ 103,3 mil.


Alguém saiu ganhando

Apesar de todo o transtorno, empresas especializadas em manutenção de bicicletas saíram “ganhando”, já que a famosa magrela acabou sendo a alternativa de transporte em Bagé. À época, o vendedor Maximiliano Mendonça Gonçalves, que trabalha em uma dessas lojas, disse ao Jornal MINUANO que a venda aumentou consideravelmente, sendo que, antes da greve, ficava até três dias sem vender uma bicicleta e, durante a paralisação, a média era de uma venda por dia.

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias do caderno

Carregando...