ANO: 25 | Nº: 6384
08/01/2019 Segurança

Empresário Aristides Kucera morre em Porto Alegre

Foto: Divulgação

Natural de Santiago, empresário chegou a Bagé na década de 1950
Natural de Santiago, empresário chegou a Bagé na década de 1950
O empresário Aristides Kucera, importante figura na história do cinema e da comunicação bajeense, morreu, ontem, por volta das 14h, no Hospital Mãe de Deus, em Porto Alegre, aos 91 anos, por consequência de uma parada cardíaca. O velório será realizado, hoje, na capital gaúcha, em horário ainda a definir. O sepultamento ocorrerá no cemitério São Miguel e Alma. Natural de Santiago, Kucera vivia em Porto Alegre há cerca de um ano. Viúvo de Talita de Lourdes Marques Kucera, deixa os filhos Edson, Mário, Maximiliano e Marcelo, além de noras, netos e amigos.

Rádio Clube
Em 12 de junho de 1970, Kucera fundou, com um grupo de amigos, a Rádio Clube de Bagé, conhecida como “Namoradinha de Bagé”, por ter sido fundada no Dia dos Namorados. Na época, foi diretor da emissora juntamente com o Mário Nogueira Lopes.
Kucera permaneceu como proprietário da emissora por quase meio século, sendo afastado recentemente devido a problemas de saúde. A família do empresário continuou com a rádio até agosto de 2018, quando vendeu para outro grupo.

Atuação no cinema
Conhecido, também, por sua trajetória como proprietário de cinemas em Bagé, Kucera teve seu primeiro contato com o setor em 1949, quando abriu sua primeira sala de exibição em Santiago. Mudando-se para São Gabriel em seguida, foi responsável pela abertura de mais dois empreendimentos.
Em 1956, recebeu a proposta de compra de seu primeiro cinema em Bagé, o Cine Presidente, situado na esquina das ruas Fabrício Pillar com Juvêncio Lemos, a famosa “Baixada Bajeense”.
Em seguida, através de parceria com outros dois empresários de fora da cidade, comprou os três maiores cinemas de Bagé: Avenida, Glória e Capitólio. A isso, somavam-se o antigo Cine Presidente, na baixada, e o novo, na Marechal Floriano, no prédio do antigo Apolo.
Com grande público nos três principais cinemas, decidiu, então, fechar os dois cines Presidente, no início da década de 1960. Foi proprietário de 22 salas de exibição em diversas cidades do Estado.
Além da Rainha da Fronteira, também adquiriu cinemas em Dom Pedrito, Rosário do Sul, Cacequi, Alegrete, Quaraí, Cachoeira do Sul, Cassino e dois em Porto Alegre (Rosário e Estrela).
Em 1978, fechou o Cine Glória, que reabriu em 1998, funcionando apenas na parte de cima da antiga sala. O cinema encerrou definitivamente as exibições em 2000. Já o Capitólio teve sua última exibição em 1982. O Avenida chegou a encerrar suas atividades em 1995, tendo sido consumido por um incêndio em 1997.

Consórcio
Kucera foi acionista da empresa Cine Hotel Consórcio Bagé S.A., que projetava a construção de um cinema junto ao complexo de edifícios construídos após a destruição do Mercado Público Municipal, na década de 1950, que deu lugar ao Calçadão.

Últimas homenagens
O velório do empresário está sendo realizado desde as 22 horas de segunda-feira e o sepultamento ocorrerá hoje, às 18h, no Cemitério São Miguel e Almas, em Porto Alegre.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...