ANO: 25 | Nº: 6359
09/01/2019 Luiz Coronel (Opinião)

Desvalidos

Eu não tenho canto altivo
A centauros legendários
Canto o homem do povo
E seu viver tão precário.

Não canto garbosas pilchas
Mas camisas remendadas
O santinho no pescoço
E nos ombros uma enxada.

Gente de roça e lavoura
Alegria frágil, tola
Meninos de beira de estradas
Vendendo melão e cebola.

Elas levam sobre o ventre
As pesadas melancias
Tiram leite, colhem fumo
São miguelinas, marias,

Sentados nos calcanhares
Esperam uma condução
Triste destino de espera
A chuva, a nova estação.

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...