ANO: 25 | Nº: 6378
17/01/2019 Cidade

Bagé registra mais de 335 milímetros de chuva em uma semana e número de alagamentos aumenta

Foto: Antônio Rocha

Bombeiros registraram alagamentos em pelo menos nove pontos da cidade
Bombeiros registraram alagamentos em pelo menos nove pontos da cidade

A situação em Bagé se agravou, terça-feira, quando foram registrados, pela Defesa Civil, cerca de 85,4 milímetros de chuva, das 19h às 21h. A situação afetou vários bairros e o Corpo de Bombeiros, bem como o plantão do Departamento de Água, Arroios e Esgoto de Bagé (Daeb) e a prefeitura, que destinaram equipes de plantão e passaram a noite atendendo a população.
Conforme o sargento do Corpo de Bombeiros, Alex Sander da Silveira, foram registrados pontos de alagamento nos bairros Damé, Castro Alves, Centro, Estrela D'Alva, Passo das Pedras e Pedra Branca, além da Avenida Santa Tecla. “Foram nove alagamentos e vistoria em cinco pontos”, conta.

Já a Defesa Civil do município está realizando um balanço dos estragos. A informação é que pelo menos duas famílias precisaram ser retiradas de casa em razão da invasão da água nas residências. Elas foram encaminhadas para casas de parentes. Conforme o agente da Defesa Civil, Marcus Flávio de Freitas, as equipes estão nas ruas, realizando atendimentos.

Freitas salientou que está sendo realizado um laudo técnico, que deve ser finalizado hoje, para encaminhar para a Defesa Civil do Estado e da União. “Estamos juntando os pareceres para encaminhar com o decreto da situação de emergência”, disse.

Na terça-feira, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, homologou os decretos de situação de emergência de três municípios gaúchos: Alegrete, São Gabriel e Uruguaiana. “Determinamos que o processo de reconhecimento dos decretos de situação de emergência fosse agilizado, para que o Estado possa prestar o apoio necessário o mais rápido possível. Estamos comprometidos com o objetivo de retomar a normalidade nesses municípios”, disse.

Atendimento do Daeb

O Daeb informou, ontem, que estava trabalhando em diversos locais da cidade onde ocorrem alagamentos desde o dia 9 de janeiro. Segundo informações da autarquia, somente nas últimas 24 horas foram registrados, pela Estação de Tratamento de Água, mais de 67 milímetros de precipitação, totalizando o acumulado do mês em 335,2 milímetros (mm) de chuva, enquanto a média histórica do mês de janeiro é de 170 mm.

As ações executadas pelo Daeb atendem ao Programa de Combate a Alagamentos (PCA), elaborado pelo governo municipal em 2017, pelo qual diversas obras para melhorar o escoamento pluvial da cidade foram realizadas, alcançando a marca de 12 quilômetros de bueiros colocados. Nas atividades, são utilizadas retroescavadeiras e caminhão de sucção, além de equipes com varetas e pás, onde maquinário pesado não é necessário.

Os pontos críticos registrados pelo Departamento foram nos bairros Bonito, Malafaia e Stand, que já estão recebendo atendimentos, como desobstrução de bueiros, abertura de valas e limpeza de caixas de coletagem (boca de lobo) com a retirada de lixo doméstico e entulho, que, conforme a assessoria de comunicação do órgão, é uma das maiores causas de entupimento das redes. Na última semana, o total de atendimentos relacionados a problemas causados pela chuva já ultrapassam os 180.

Problema na Cohab

A aposentada Zola Giorgis Lanes, 69 anos, diz estar apavorada com a situação de seu apartamento, no bloco A1 da Cohab. A residência sofre, há vários anos, com problema de alagamento, devido às caixas coletoras de esgoto, que são encostadas na parede de seu quarto. Zola comenta que já realizou vários pedidos para o Daeb, mas não obteve uma solução. “O esgoto transborda e enche a casa. Brota pelas paredes", conta, ao evidenciar o agravamento do problema devido ao excesso recente de chuvas.

A idosa menciona que não tem para onde ir. “O apartamento é meu e não tenho condições de arrumar todo o esgoto do prédio. Recebo um salário mínimo”, diz. Ela também conta que já perdeu roupeiro, sofá e armário da cozinha. “Agora, estragou tudo novamente, não tenho condições de comprar móveis toda a vez que chove”, desabafa.

Passeio de caiaque

O empresário Marcos Ianzer, 59 anos, chamou a atenção, nas redes sociais, ao realizar um passeio de caiaque pela rua Coronel Azambuja, que foi uma das vias alagadas pela enxurrada de terça-feira. O vídeo do ato teve uma enorme repercussão, atingindo mais de 17 mil visualizações em poucas horas. Ianzer, que é um dos remadores do Rio Camaquã, contou que não foi a primeira vez que praticou a remada. “Não foi protesto, simplesmente fiz para me divertir”, diz.

Ianzer conta que a rede de esgoto e os bueiros da rua em que vive foram construídos há mais de 80 anos e, na época, era ideal para o local. “Agora, houve o crescimento da população”, reconhece. O empresário comenta que muitas pessoas não cuidam da via pública e jogam lixo, que acaba entupindo os bueiros. “A água sobe rápido e desce rápido também. Meu passeio durou cerca de 10 minutos. Foi uma preparação para o Camaquã”, brinca.

Donativos

Além da região da Campanha, a Fronteira Oeste também foi atingida pelas precipitações. O Corpo de Bombeiros de Bagé está servindo como ponto de coleta para doações destinadas às pessoas que ficaram desabrigadas nas várias regiões do Estado. Segundo o sargento Alex Sander da Silveira, os moradores da região podem contribuir com roupas, calçados e alimentos não-perecíveis. As contribuições serão entregues à Defesa Civil, que fará a distribuição aos afetados.

As doações estão sendo recebidas, 24 horas por dia, na sede do Corpo de Bombeiros, na rua Barão do Triunfo, nº 561.


Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...