ANO: 25 | Nº: 6255

Daiane Lima

daiane.lima.bg@gmail.com
Jornalista formada pela Universidade da Região da Campanha. Responsável pela produção e reportagem de esportes do Jornal MINUANO.
18/01/2019 Universo Pet

Alimentação natural para os pets

Foto: Divulgação

A alimentação dos pets deve ser uma das preocupações dos tutores, já que influencia diretamente na saúde e no bem-estar animal. Mas além daqueles que oferecem ração aos cães e gatos, há também pessoas que optam pela Alimentação Natural. Hellen Saralegui trabalha ajudando a orientar tutores a iniciar esse tipo de alimentação em casa. Ela também oferece tais refeições aos seus pets.

Hellen fez cursos de adestramento e trabalha como dog walker e pet sitter. Ela explica que há um “mito” de que os animais podem apenas comer ração. Entretanto, a profissional defende que o melhor é oferecer uma dieta balanceada, própria para cada animal.

A alimentação natural, como explica a pet sitter, tem o objetivo de oferecer exatamente o que a fisiologia da espécie requer. Ela lembra que os cães, por exemplo, são descendentes dos lobos — carnívoros, que consome todas as suas presas.

Ela explica que as rações possuem milho, soja e trigo, ingredientes que devem ser evitados pelos cães e gatos. A alimentação inadequada, conforme a pet sitter, foi pode ser uma das causas da imunização mais baixa em animais, aumento das alergias e até mesmo do tártaro nos dentes.

Mas a profissional ressalta também que entregar aos amigos de quatro patas as sobras das refeições dos humanos não é o mesmo que oferecer alimentação natural. Esse tipo de dieta exige o acompanhamento de um nutrólogo.

As dietas dos pets são baseadas em proteínas e gorduras, vísceras, verduras e hortaliças. Os felinos não devem comer carboidratos e, para eles, muitas frutas devem ser evitadas. Já os cães podem ingerir os carboidratos e ter mais frutas em suas refeições. Os tutores também terão três tipos de dietas de alimentação natural: cozida, crua e sem ossos e crua com ossos. Antes e colocar em prática, ela ressalta que é preciso fazer exames de sangue no pet e procurar um profissional.

Sobre a opção de oferecer carne aos pets, Hellen afirma que os pets não podem ser vegetarianos. Ela reforça que, mesmo que os veterinários optem por esse estilo de vida, devem oferecer carne para garantir a saúde dos animais de estimação.

Hellen também ressalta que para oferecer alimentação natural aos pets, não é necessário cozinhar ou montar os pratos todos os dias. Ela lembra que os tutores podem separar as porções e oferecer a cada dia — o que facilita o trabalho para quem tem uma rotina corrida.

Benefícios e desvantagens

Os benefícios que podem ser vistos rapidamente, conforme a profissional. O brilho do pelo é perceptível em poucos dias, os animais ficam mais dispostos e alerta. A alimentação natural também diminui o odor e tamanho das fezes e da urina. Os pets também acabam tendo um sono melhor, conforme Hellen.

Entre as desvantagens, a profissional aponta a exigência de organização e disciplina para preparar as refeições. Também será necessário ter espaço em um freezer ou congelador para separar as porções e suporte veterinário. Se os animais forem de porte grande, a quantidade de comida preparada deverá ser significativa também.

Ela também aconselha sejam oferecidos, como petiscos, legumes e hortaliças, além de carnes cruas e cozidas sem tempero. Isso, porque conhecer os gostos do animal pode ser uma forma de ajudar a formar a dieta dos pets.

Alimentos

Para oferecer os petiscos, é necessário saber os alimentos que os cães e gatos não podem consumir. Uva, uva passa, chocolate, macadâmia, açúcares, massas, embutidos, produtos lácteos e cebola podem fazer mal.

Alguns temperos são permitidos aos animais de estimação, como o orégano, tomilho, cúrcuma, pimenta do reino, azeite de oliva e ômega 3, por exemplo.

 

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias do caderno

Outras edições

Carregando...