ANO: 25 | Nº: 6436
28/01/2019 Fogo cruzado

Estado anuncia início do trabalho para preservação de documentos de Assis Brasil

Foto: Arquivo JM

Estrutura foi construída de pedras em granito rosa, entre  1909 e 1913
Estrutura foi construída de pedras em granito rosa, entre 1909 e 1913

Historiadores, arquivistas e um cientista social viajaram, no começo da semana passada, para o castelo de Pedras Altas, onde morou Joaquim Francisco de Assis Brasil, que ganhou destaque nacional como produtor rural, diplomata e político. De acordo com informações do governo do Estado, a equipe prepara um levantamento de mobiliário e de documentação, iniciando a primeira fase de um plano de trabalho. A primeira etapa do chamado Plano de Salvamento da Documentação da Granja de Pedras Altas envolve um levantamento quantitativo e o acondicionamento material, começando pelo que se encontra em maior risco. A análise prévia do material indica um acervo valioso e, em alguns casos, inédito.
O trabalho foi viabilizado através de um acordo de cooperação assinado entre a Secretaria Estadual da Cultura, por meio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (Iphae), com órgãos ligados à preservação, para viabilizar a conservação de bens e documentos de propriedade de Assis Brasil. O entendimento entre as instituições foi feito devido à relevância histórica e cultural do acervo produzido pelo político e diplomata. Participam do acordo de cooperação, juntamente com a secretaria e o Iphae, a Secretaria da Modernização Administrativa e Recursos Humanos, o Ministério Público, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
Para a secretária da Cultura do Estado, Beatriz Araújo, a articulação a favor do patrimônio do Estado é decisiva na preservação ainda possível da Granja de Pedras Altas. "Acordos nesta direção devem se tornar rotinas nas agendas das instituições envolvidas. O Rio Grande do Sul tem outros acervos que merecem nossa atenção”, disse a secretária. O trabalho não tem data definida para conclusão porque depende das necessidades e especificidades de documentos, bens e etapas do projeto, que inclui o restauro do castelo de Pedras Altas.
De acordo com a diretora do Iphae, Renata Horowitz, a trajetória pela preservação e salvaguarda do conjunto arquitetônico da Granja de Pedras Altas remonta 30 anos. "A ação implementada, agora, é resultado da união de esforços de vários entes públicos e deve dar fim à situação de risco em que esse importante acervo se encontra”, acrescenta.
Além da preservação, a exposição de documentos públicos para a pesquisa foi fundamental para o encaminhamento do trabalho. O plano está organizado em quatro etapas. Após o primeiro registro e armazenamento, o material vai ser transportado para uma guarda provisória no Memorial do Ministério Público em Porto Alegre. Depois será feito o levantamento detalhado de todo o acervo e o tratamento do material para preservação. Por fim, haverá o retorno do material à Granja de Pedras Altas, após o imóvel ter condições de armazenamento adequado do acervo.


Patrimônio tombado

O Castelo de Pedras Altas, tombado pelo Iphae em 1999, foi erguido entre 1909 e 1913, em estilo medieval, para ser usado como residência de Assis Brasil. Durante a elaboração do projeto de restauração arquitetônica e requalificação do acervo estão previstos um ou mais locais com condições ideais de guarda do material documental. A construção, que tem mais de 40 cômodos, foi palco da assinatura do Tratado de Paz da Revolução de 1923.

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...