ANO: 25 | Nº: 6255

Fernando Risch

fegrisch@gmail.com
Escritor
08/02/2019 Fernando Risch (Opinião)

Redundância institucional

Um dia eu estava andando com meus pés e ouvi um grito vindo da garganta de uma pessoa que gritava de uma janela, colocada na parede de um prédio, no segundo andar, que ficava no segundo piso de um prédio. Subi pra cima nas escadas que subiam e duas pessoas humanas discutiam sobre fatos. Um se cuspia todo, com salivas saídas da própria boca, enquanto o outro ouvia com ouvidos que pertenciam ao seu próprio corpo.

A pessoa que falava com a própria boca, e que um dia nascera e um dia irá morrer, dizia que o país o qual ele fora concebido, assim se designando brasileiro nato, natural, existia muitas regras obrigatórias e serem cumpridas e que todos deveriam cumprir tais regras que, por uma questão linguística da língua, se faziam obrigatórias para todos (não alguns, mas todos, numa totalidade).

O homem humano que ouvia com seus próprios ouvidos, oriundos de sua nascença, por sua vez também na república em questão, o fazendo brasileiro nascido no Brasil, pediu para que o outro se acalmasse, trazendo calma ao ânimo animado o qual ele se encontrava. Quando o outro se acalmou, trazendo calma ao seu ânimo animado, o que ouvia com os ouvidos falou com som de sua voz, vinda das cordas vocais, saída de sua própria boca, que concordava concordando.

Era preciso mudar isso tudo que estava aí, não o que estava aqui, mas aí, por aí, de uma forma que mudasse isto tudo que estava aí. Então para que não fosse mais necessário, de uma forma obrigatória que obrigasse a todos, não alguns, mas todos, em uma totalidade, a não necessariamente cumprir as muitas regras em demasias a que todos eram obrigados obrigatoriamente, criou-se uma outra regra: a regra anti-não-regra.

A regra anti-não-regra, por sua vez, sendo assim sua vez, fez com que as pessoas cumpram as regras obrigatoriamente a que são obrigadas, mas não obedecendo às muitas regras a que eram obrigadas, apenas a regra anti-não-regra que faz com que as pessoas obrigatoriamente cumpram as regras. Após ouvir com meus ouvidos, desci pra baixo as escadas que levavam pra baixo e segui andando com meus pés pisando ao chão.

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...