ANO: 25 | Nº: 6208

José Artur Maruri

josearturmaruri@hotmail.com
Colaborador da União Espírita Bajeense bagespirita.blogspot.com.br
09/02/2019 José Artur Maruri (Opinião)

Relacionamento familiar

Muitas vezes encontramos as lutas mais acerbas no reduto doméstico. É no lar que nos deparamos com as maiores resistências e isso porque o verdadeiro "eu" sente-se a vontade no local convencionado como de refazimento de energias.
Allan Kardec, na obra "O Evangelho Segundo o Espiritismo", capítulo 14, item 8, refere:
"Os que encarnam numa família, sobretudo como parentes próximos, são, as mais das vezes, Espíritos simpáticos, ligados por anteriores relações, que se expressam por uma afeição recíproca na vida terrena. Mas, também pode acontecer de serem completamente estranhos uns aos outros esses Espíritos, afastados entre si por antipatias igualmente anteriores, que se traduzem na Terra por um mútuo antagonismo, que aí lhes servem de provação. Não são os da consanguinidade os verdadeiros laços de família e sim os da simpatia e da comunhão de ideias, os quais prendem os Espíritos antes, durante e depois de suas encarnações".
Com a compreensão da lição supracitada, ou seja, sabedores que os verdadeiros laços são os espirituais, podemos avançar até ao que nos disse o Espírito "Irmão X', na obra "Lázaro Redivivo", sobre preparação familiar:
"Os filhos não são almas criadas no instante do nascimento (...). São companheiros espirituais de lutas antigas, a quem pagamos débitos sagrados ou de quem recebemos alegrias puras, por crédito de outro tempo. O instituto da família é cadinho sublime de purificação e o esquecimento dessa verdade custa-nos alto preço na vida espiritual".
Ainda, nesse sentido, o Espírito Emmanuel, na obra Vida e Sexo, refere que "temos (...) no instituto doméstico uma organização de origem divina, em cujo seio encontramos os instrumentos necessários ao nosso próprio aprimoramento para a edificação do Mundo Melhor".
Emmanuel vai ainda mais longe ao referir que "de todos os institutos sociais existentes na Terra, a família é o mais importante, do ponto de vista dos alicerces morais que regem a vida".
Enfim, no relacionamento familiar Emmanuel aconselha que "quando a reprovação ou a crítica te assomarem ao pensamento inquieto, recorda que somente vemos nos outros as imagens que conservamos dentro de nós e cada homem julga o próximo pelas medidas que estabeleceu para si mesmo".
Diante disso, com relação a família, o Espírito Joanna de Ângelis conclui:
"A família tornou-se a célula máter do organismo social onde se desenvolvem os sentimentos, a inteligência, e o espírito desperta para as realizações superiores da vida".
(Referências: Allan Kardec. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Capítulo 14, item 8. Francisco Cândido Xavier pelo Espírito Irmão X. Lázaro Redivivo. Francisco Cândido Xavier pelo Espírito Emmanuel. Vida e Sexo. Reformador, mai 1953. p. 110. Divaldo Franco pelo Espírito Joanna de Ângelis. Convites da Vida. Miriam Masotti Dusi. Espiritualidade nas Relações, para viver e conviver em paz. Educando a afetividade no Relacionamento Familiar)

José Artur M. Maruri dos Santos
Colaborador da União Espírita Bajeense
Comente: josearturmaruri@hotmail.com

 

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...