ANO: 25 | Nº: 6333
02/03/2019 Segurança

RS Seguro une secretarias e órgãos no combate ao crime além da repressão

Com base em estudos sobre a criminalidade, reconhecendo a violência como uma questão que vai além da segurança e é também um desafio social e econômico, o governo do Estado lançou, na quinta-feira passada, o RS Seguro. Criado por decreto, é um programa transversal, porque abrange várias secretarias e órgãos públicos. Também é estruturante, porque visa oferecer à população um estado mais civilizado para residir e investir.

Considerada uma das prioridades do governador Eduardo Leite, a segurança passa, a partir desse plano, a ter novas diretrizes para o desenvolvimento de políticas públicas mais eficientes mesmo diante da grave crise fiscal do Estado. “O diagnóstico mostra que, nos últimos 10 anos, o aumento de aporte financeiro em segurança não representou de fato redução do crime. Por isso, estamos lançando esse programa de governo, para articular ações de prevenção, repressão e reabilitação de criminosos, e, não menos importante, o lado social, melhorando o serviço de atendimento à população", destacou.

A coordenação do RS Seguro fica com o vice-governador e secretário da Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior. “Começamos a pensar no plano lá na campanha eleitoral. Desde então, fomos aprimorando e ampliando até chegarmos no complexo desenho que, hoje, apresentamos ao público. E não pararemos por aqui, é só um começo. Agora, com integração e inteligência poderemos prestar um serviço de mais qualidade e efetivamente reduzir a violência”, afirmou Ranolfo.

Com foco em áreas com indicadores de maior criminalidade e vulnerabilidade socioeconômica, o programa está dividido em Combate ao crime, com foco nos municípios com maiores índices de violência, determina integração das ações policiais entre os órgãos para reduzir a criminalidade; políticas sociais preventivas e transversais, o foco será nos bairros com altos índices de violência e mais vulneráveis no aspecto socioeconômico e um dos principais objetivos será oferecer alternativas e oportunidades atrativas aos jovens das regiões; serviços de segurança, melhorando o atendimento nos serviços prestados pela segurança pública desde a delegacia online até o prazo de resolução com uma resposta, e sistema prisional, cujo principal objetivo será a redução do déficit de vagas e a qualificação operacional e da gestão do sistema prisional.

Cada um desses eixos será desmembrado em metas e suas respectivas ações práticas, em curto, médio e longo prazo, que serão concluídas e divulgadas nos próximos meses. “Estou muito seguro de que o programa tem consistência, porque se baseia em dados, e que significa um estado mais pacífico para que as pessoas queiram viver aqui. É um programa de desenvolvimento social e econômico. Para dar certo, precisa do esforço de todos nós”, concluiu o governador.

Ponto de partida

O programa RS Seguro é ponto de partida para outra medida relevante na área da segurança: o desenvolvimento do Plano Estadual de Segurança Pública e Defesa Social, que será concluído antes do prazo determinado pelo governo federal.

Segundo o Plano Nacional de Segurança Pública e Defesa Social, publicado em dezembro de 2018, todos os estados têm dois anos para elaborar seus planos. A meta do governo gaúcho, conforme estabelece o decreto assinado nesta quinta-feira, é concluir o documento estadual em, no máximo, 240 dias – ou seja, até novembro.

Além de fortalecer a gestão com foco em resultados, o Plano Estadual potencializa o alinhamento com as políticas públicas nacionais e o acesso a recursos do Sistema Único de Segurança Pública (Susp). O plano terá validade de 10 anos e será avaliado anualmente.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...