ANO: 25 | Nº: 6382

João L. Roschildt

joaoroschildt.jornalminuano@outlook.com
Advogado e professor do curso de Direito da Urcamp
21/03/2019 João L. Roschildt (Opinião)

Olavo tem (muita) razão

Como é engraçado ver o comportamento dos intelectuais contemporâneos. Revestidos de uma aura de iluminados e em razão de terem inundado as universidades com um sentimentalismo abjeto que deforma mentes, utilizam-se das chancelas institucionais para esparramarem a arrogância. Afogados em ideologias coletivistas-progressistas, drogam (em alguns casos, literalmente) a razão para encaixá-la em seus pré-conceitos. Sem racionalidade e sem humildade, resta-lhes algo que é continuamente imputada aos seus opositores: a obscuridade.

Em 17/03/2019, o site da revista Época divulgou um texto de Débora Diniz, em que ela lança um desafio público a Olavo de Carvalho: um debate sobre o tema do aborto. Ela, professora da Universidade de Brasília e “aclamada” pesquisadora favorável à descriminalização do aborto; ele, um famoso pensador e escritor, que exerceu enorme influência na reestruturação do pensamento conservador nacional e, nas últimas eleições presidenciais, ao apoiar Jair Bolsonaro.

No escrito, a acadêmica-militante, sempre com um sorriso um pouco mais largo que o da Monalisa ao falar da possibilidade de pôr fim à vida de quem é indefeso, e que se intitula “intelectual acadêmica”, afirma que não encontrou o currículo acadêmico de Olavo. Ora, aos que conhecem minimamente (para não ser um idiota... sem perder a piada) a vida política da atualidade, sabem que Olavo é um outsider, conhecido por suas posturas duras e sem papas na língua e que foi autor de best-sellers, que estavam em consonância com as ideias de boa parte dos brasileiros. Assim, por trás da afirmação infantil de Débora Diniz, há uma tentativa vil de desqualificar o opositor por falta de preenchimento dos critérios que a militante julga necessários para que se inicie um bom debate.

Essa crendice rudimentar, baseada na ideia de que só existe vida intelectual dentro da universidade, mostra o quão afastados do senso comum (bom senso) estão os nossos “professores”. Resultado? Ideias mirabolantes que buscam a planificação da sociedade com base em subjetividades eivadas de ideologias. A fórmula? A apropriação de instituições que “glamourizem” o que é dito, independentemente da razoabilidade dos argumentos ou da bizarrice da causa (defesa do aborto). Não à toa, no texto, Débora Diniz apela a prêmios, títulos e homenagens recebidas, como se isso, por si, fosse a confirmação de sua excelência racional.

A petulância intelectual cega. Não foram poucas as vezes em que presenciei, em diversos espaços acadêmicos, tentativas de constrangimentos às pessoas que portavam livros de Olavo: “Como uma pessoa tão inteligente lê isso?”, perguntavam variados interlocutores que nunca haviam lido uma página sequer da obra daquele escritor. Expoentes de uma época avessa ao que é produzido fora dos círculos de um sistema que se retroalimenta a partir das bajulações entre os pares.

Olavo sabe disso e denunciou a sordidez dessa dinâmica. Seu sucesso fez com que Débora Diniz lhe propusesse um debate, como tentativa de obtenção de um reconhecimento popular que nunca teve, com o falso propósito de tentar desmascarar o “guru” de Bolsonaro. A professora expressa uma mentalidade que corroeu os alicerces da verdadeira intelectualidade ao imaginar que não há pensamento razoável fora dos esquadros acadêmicos. Olavo nunca teve tanta razão.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...