ANO: 25 | Nº: 6384
22/03/2019 Cidade

Unidade da Cesa é adquirida por empresa de transporte de Passo Fundo

Foto: Divulgação

Cava, Zanon e Ritta assinam o termo de entrega do complexo
Cava, Zanon e Ritta assinam o termo de entrega do complexo

Após uma série de leilões frustrados desde setembro de 2017, o complexo da Companhia Estadual de Silos e Armazéns (Cesa), de Bagé, foi arrematado pela empresa Pradozem Comércio, Serviços e Transporte, de Passo Fundo. As informações foram repassadas pelo leiloeiro público judicial, Jorge Ritta, que participou da assinatura do termo de entrega realizada na quarta-feira, 20, com a presença do presidente da empresa, Antônio Zanon Sobrinho; e do diretor da Companhia Estadual de Silos e Armazéns, Cláudio Cava Corrêa. O ato também contou com a presença dos empresários de Antônio Prado, Laureano Fortuna; de Porto Alegre, Marco Fortuna; de Pinheiro Machado, Paulo Alves; e da assessora do deputado federal Afonso Hamm, Márcia Marinho.
O complexo todo, que conta com cerca de cinco hectares, foi arrematado pelo valor mínimo estipulado de R$ 2.748 milhões, pagos à vista. A homologação da arrematação foi feita pelo poder judiciário no dia 12 de março, quando a venda foi reconhecida a fim de que o valor da venda seja revertido como precatório em processo trabalhista.
Zanon relata que existe a possibilidade da AmBev fazer fomento da cultura de inverno de cevada na região e alavancar a economia do município. A colheita é prevista para novembro. A Pradozem vai reformar as estruturas que estavam paradas há muito tempo e ampliar a demanda de acordo com as necessidades do município.
Afonso Hamm destaca a importância desse novo empreendimento, em Bagé, com a parceria da AmBev, com o objetivo de desenvolver uma nova matriz produtiva, que é a cevada. O parlamentar destaca a expansão das cervejas artesanais e cervejas na região. “O novo empreendedor que tem investimentos no norte do Estado e em Rio Grande, agora, investe em Bagé, oportunizando novos investimentos e empregos para região”, ressalta.
A venda do complexo de Bagé e mais nove unidades foi anunciada em 2017, pelo governo Sartori. Desde março daquele ano, após anos de subutilização e desinteresse dos produtores no espaço, a unidade da Rainha da Fronteira foi ocupada por uma parceria público-privada, por período pré-determinado.
O objetivo do governo do Estado com a venda dessas 10 unidades, em todo o Rio Grande do Sul, é liquidar a empresa e arrecadar cerca de R$ 70 milhões para quitar passivos trabalhistas em acordo firmado com Sindicato dos Auxiliares Administração Armazéns Gerais RGS. A diminuição da estrutura física da Cesa ocorre desde 2015, tendo sido extinta em 2018.

Pradozem

Desde 1960 atuando no transporte de granéis sólidos no Rio Grande do Sul, a Pradozem consolidou-se como uma força no transporte rodoviário gaúcho. Desenvolveu parcerias com grandes e médias empresas e especializou a frota para caminhões basculantes adequando-se às necessidades de seus clientes, viabilizando uma logística de alta performance, otimizando a descarga, reduzindo tempo, custos e perdas, agregando eficiência e menor risco de infestações e misturas.
Atualmente, conta com cerca de 120 carretas basculantes em sua frota, sempre oferendo Soluções Integradas de Logística. Na década de 90, investiu em um terminal hidro/rodo/ferroviário junto ao Rio Gravataí, na cidade gaúcha de Canoas, com capacidade para armazenagem de 30.000 toneladas estáticas. Nesse período, investiu em um outro armazém, também na cidade de Canoas, para depósito de fertilizantes, com capacidade de 40.000 toneladas estáticas.
No ano 2000, em virtude da otimização da frota e com o objetivo de agregar mais um elo na cadeia logística, adquiriu uma unidade de armazenagem de grãos da então Companhia Cervejaria Brahma, na cidade de Passo Fundo, com capacidade de estocagem para 20.000 toneladas estáticas que, em 2000, transformou-se em 250.000 toneladas estáticas de grãos, em 34 silos metálicos e um armazém graneleiro, além de uma Unidade de Beneficiamento de Sementes com capacidade de 5.000 toneladas estáticas. A Pradozem possui 12 moegas para recebimento rodoviário, adaptadas com tombadores para agilidade no processo de descarga de caminhões caixa, podendo receber até 1.000 toneladas/hora de produto.
Possui, ainda, um terminal ferroviário adaptado para recebimento e expedição de grãos, com capacidade de operação de até 500 toneladas/hora, onde o vagão em um único encoste descarrega e carrega produtos sem movimentar-se do local. A estrutura de beneficiamento de grãos conta com máquinas de limpeza com capacidade de beneficiamento de 300 toneladas/hora, com duas linhas de beneficiamento e secador com capacidade de secagem para 200 toneladas/hora, também com duas linhas de secagem e tecnologia de ponta para melhoramento, manutenção e monitoramento da qualidade dos grãos armazenados, utilizando um sistema de aeração e termometria computadorizado e disponibilizado ao cliente para consulta via internet. Possui também equipamento diferenciado para resfriamento de grãos, agregando menores perdas e eficiência no controle de insetos, propiciando condições ideais para estocagem por longos períodos. O secador também é equipado com sistema de monitoramento da secagem, garantindo um serviço cuidadoso e eficiente, gerando relatórios de acompanhamento, tudo para disponibilizar ao cliente o maior número de informações técnicas possíveis, garantindo a melhor condição de armazenamento aos diferentes tipos de cereais.
A estrutura da Pradozem comporta, também, um laboratório para análise de recebimento de cereais, equipado com equipamentos modernos e precisos, zelando pela fidelidade dos resultados de análises.

 

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...