ANO: 26 | Nº: 6523
23/03/2019 Fogo cruzado

Hamm propõe debate sobre aplicação e prejuízos ocasionados pelo herbicida 2,4-D

Foto: Tiago Rolim de Moura

Progressista apresentou requerimento à Comissão de Agricultura
Progressista apresentou requerimento à Comissão de Agricultura
O deputado federal Afonso Hamm, do Progressistas, propôs, à Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados, a realização de uma agenda, em Porto Alegre, para debater sobre a aplicação e os prejuízos ocasionados pelo herbicida 2,4-D. O colegiado deve deliberar sobre o requerimento, estabelecendo uma data para o debate.
O parlamentar sugeriu, ainda, a participação de representações do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; da secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do Rio Grande do Sul; da secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura do Estado; Ministério Público; Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul); Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin);  Associação de Produtores de Vinhos Finos da Campanha Gaúcha; representações de universidades, produtores de maçã e olivicultores.
Hamm argumenta que a agenda leva em consideração ‘os registros de perdas e impactos à produção em diversos setores da fruticultura, olivicultura, vitivinicultura, apicultura e outros, ocasionados pela deriva do herbicida 2,4-D, utilizado para controle de ervas daninhas nas lavouras de soja no estado do Rio Grande do Sul. “Laudos já confirmam resíduos desse herbicida hormonal em folhas de videiras e outras culturas, provocando crescimento descontrolado e dessa forma causando  danos milionários em função da perda de produtividade e qualidade nas culturas afetadas”, pontua.
Hamm observa, ainda, que ‘o assunto é prioridade nas discussões no estado do Rio Grande do Sul, porém as entidades envolvidas não chegaram a um consenso sobre o caso. “Os atingidos buscam a suspensão ou proibição do uso do herbicida no Rio Grande do Sul, contudo, as investigações estão a cargo do Ministério Público. Precisamos buscar soluções para esse impasse visando prevenir, minimizar os impactos e harmonizar a produção agrícola, de forma que a diversificação de atividades rurais nas propriedades rurais seja preservada”, justifica.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...