ANO: 25 | Nº: 6231

Cássio Lopes

cassio_241@hotmail.com
28/03/2019 Cássio Lopes (Opinião)

Os mascates

"Mascate" foi o nome dado no Brasil aos mercadores ambulantes e vendedores de "porta em porta", também chamados de "turcos da prestação" ou simplesmente "turcos". A origem do termo "mascate" vem do árabe El-Matrac, vocábulo usado para designar os portugueses que, auxiliados pelos libaneses cristãos, tomaram a cidade de Mascate (no atual Omã) em 1507, levando mercadorias.
Embora o termo não seja utilizado em Portugal com o mesmo significado, o nome "mascate" ficou sempre associado à imigração árabe no Brasil, resultante do grande contingente de imigrantes provenientes do Líbano e da Síria que se dedicaram a esta atividade. Em menor número, chegaram, também, ao Brasil, imigrantes de outros pontos do antigo Império Otomano, como Turquia, Palestina, Egito, Jordânia e Iraque. Como tinham sotaque, eram nomeados de "turcos da prestação" ou apenas "turcos", pois naquela época o Império Turco-Otomano controlava boa parte do Oriente Médio; como os imigrantes destes países vinham com a nacionalidade turca em seus documentos, ficaram conhecidos popularmente por este nome.
Os mascates eram figuras constantes no meio rural do Rio Grande do Sul, principalmente na região da Campanha, onde comercializavam diversas mercadorias de uso pessoal.
Quando estas figuras apareciam na zona rural, eram sempre bem recebidas nos sítios, chácaras e estâncias. As pessoas mostravam-se curiosas para dar fé e comprar alguma coisa entre as bugigangas que traziam.
Para desempenhar a sua atividade, deslocavam-se em carroças, a cavalo e, às vezes, com um cargueiro a cabresto carregando grandes malas. Nelas vinha uma infinidade de coisas: cortes de fazenda para vestidos ou bombachas, lenços, carpins, meias, corpinhos, ceroulas, cintos, linhas, agulhas, sabonetes, pentes, relógios despertadores, brincos, pregadores, perfumes, ligas, calças para mulheres...
A mercadoria, no geral, era de boa qualidade, porém com referência às bijuterias, perfumes e relógios de pulso, a maioria era de pouco valor, imitação, alguns, pura fantasia. Mas, estas miudezas eram o que mais atraíam a atenção das mulheres e "moças casadouras".
O turco, com certa dificuldade de pronunciar nossa língua, elogiava sua mercadoria e o baixo preço com que era vendida. O pessoal, no geral, comprava. Alguns até faziam encomenda de artigos que o mascate não tinha na ocasião. Nisso, o "turco" era cumpridor; passados uns dois meses, ele aparecia com as encomendas solicitadas e um novo e variado sortido de mercadorias, adquirida nos comércios da cidade, a fim de satisfazer sua freguesia rural, que criou com ele vínculos de amizade e respeito muito fortes, pela sua rigidez em cumprir aquilo que tratava.
Os mascates desapareceram a partir do momento em que o automóvel foi ficando acessível a muitas pessoas e as estradas, por conseguinte, em melhores condições, permitindo o deslocamento, mais rápido, até os comércios da cidade.
A maioria dos mascates ou "turcos" de Bagé transformaram-se nos proprietários das maiores lojas da cidade.

Fontes
http://diariodemascates.blogspot.com/2011/02/mascate.html
MATTOS, Eron Vaz. "Aqui – Memorial em Olhos D'água", Bagé, Gráfica CECOM, 2003. 210p.
Gonçalves, Raul Annes. "Mala de Poncho – Reminiscências e Costumes Campeiros", Porto Alegre, Martins Livreiro, 1987.89 p.

 

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...