ANO: 25 | Nº: 6208

Viviane Becker

viviminuano@hotmail.com
Colunista social do Jornal Minuano, Viviane Becker é experiente jornalista de geral e conhecida editora do caderno de variedades Ellas.
02/04/2019

Coluna Social

Foto: Reprodução JM

Sociedade Italiana
Sociedade Italiana

Um caso de amor com o MINUANO

Poucos dias antes de completar dois anos de circulação, essa colunista passou a fazer parte da equipe do Jornal MINUANO, que há pouco tempo havia sido adquirido pela Urcamp, para ser o jornal laboratório do curso de Jornalismo. Eu entrava para reforçar o time, já que as veiculações aumentariam  para três edições semanais e, em breve, seria diário. Eu tinha 18 anos e nem imaginava o que o futuro me reservava. Havia concluído o curso técnico em Processamento de Dados, o incomparável Ensino Médio profissionalizante da Urcamp, lembrado com carinho por todos que tiveram o prazer de cursá-lo. E assim como digitadora, passei a fazer parte da equipe coordenada pelo editor do JM, o jornalista Orlando Carlos Brasil. Nestes 25 anos de jornal, festejo 23 ao lado dele. Quem me conhece sabe o quanto sou apaixonada pelo MINUANO e o orgulho que tenho de fazer parte deste veículo de comunicação que ajuda a eternizar a história da Rainha da Fronteira. Dezenas de profissionais escolheram novos caminhos e alçaram outros rumos, sou a remanescente, a única funcionária que permanece por tantos anos ininterruptos. Ajudei a enfrentar algumas tempestades e agradeço à Urcamp e seus gestores por acreditarem na importância desse jornal laboratório. 

Foi na hora de fazer a matrícula da faculdade que tracei meu destino, optando pelo curso de Comunicação Social e deixando para trás a possibilidade de cursar Informática, minha primeira opção no vestibular. Nunca tive o dom de escrever, nem o sonho de ser jornalista, mas aprendi a gostar deste fascinante mundo onde não há monotonia. Poucos sabem, mas passei por diversas funções dentro deste periódico, entrei como digitadora, depois aprendi a diagramar (fazer o design gráfico do jornal, a distribuição das matérias nas páginas), algo que adoro fazer até hoje. Nestes anos todos, acompanhei todas as evoluções tecnológicas do jornal, das técnicas de colagem das páginas impressas, feitas milimetricamente e manualmente em folha de acetato (papel transparente de plástico), até os modernos e práticos programas de editoração gráfica que são enviados on-line para as gráficas. Das fotos analógicas que precisavam de revelação, passando pelas polaroides (imagens instantâneas que retornaram há pouco tempo, na melhor versão vintage), passando pelas Mavicas (máquina Sony que armazenava imagens em disquetes - algo revolucionário), até chegar às modernas câmeras fotográficas digitais.

Em 2000, faltando um ano para concluir o curso de Jornalismo da Urcamp, o então editor, Glauber Pereira, me passou a responsabilidade do Caderno Ellas, algo que faço com muito prazer até os dias atuais. Paralelo, atuei como repórter em diversas editorias do jornal, fiz centenas de matérias de geral, exceto política e segurança, que certamente não seria minha praia. Transitei do luxo ao lixo, e agradeço pela experiência que adquiri nesses anos de jornalismo. Acompanhava o chá de grupo de senhoras da sociedade bajeense e, na mesma tarde, me deslocava ao Aterro Sanitário, onde catadoras de lixo buscavam sua sobrevivência. Lembro que as fontes entrevistadas para uma matéria especial exibiam orgulhosas os frascos de desodorantes, perfumes e condicionadores com pequenos resquícios dos produtos, o rádio que ainda funcionava, os brinquedos quase novos, tudo retirado do lixo. Contavam felizes sobre as notas de dinheiro que encontravam - as de "onça" eram as melhores  (cédulas de R$ 50 que frequentemente eram achadas no lixo).

Já o jornalismo social entrou por acaso na minha vida, em junho de 2012. Mesmo duvidando da minha própria capacidade, fui convencida a assumir a função por já ter uma relação com a sociedade e facilidade de circular em diferentes grupos, pela função que já exercia no Caderno Ellas. Assim, fui formando meu perfil profissional, que, até hoje, me ajuda na prática da profissão. Sou muito grata por fazer parte de tudo isso.

Parabéns à Urcamp e ao Jornal MINUANO pelos 25 anos de história!

É para curtir a vida o ano inteiro!

O destino pouco importa, o que vale é a diversão e a alegria de compartilhar bons momentos da vida. Essa turma acostumada a viajar para o exterior, desta vez, aproveitou para curtir as belezas de Santa Catarina. Recentemente, Floriana Ferreira, Conceição Dias, Elma Centeno e Verinha Jardim passearam por Florianópolis, Barra da Lagoa, Canasvieiras, Praia Brava e arredores.

 

Sociedade Italiana

Um clique especial do encontro semanal dos integrantes da Sociedade Italiana Anita Garibaldi de Bagé, que se reúnem para fomentar a cultura, com bom bate-papo, sempre regado a comidas típicas e bons vinhos.       

 

Integração & Conhecimento

Na semana passada, aconteceu a palestra no Museu Dom Diogo de Souza, com a coordenadora do curso de História da Urcamp, Clarisse Ismério, com o tema "Atuação feminina no período Republicano no Rio Grande do Sul". Na foto, Clarisse com alguns dos integrantes da Associação dos Amigos do Museu.

 

B'Day

Hoje vai ter bolo para Neli Bandeira, Iliane Eugenio Alves, Marlene de Souza, Márcia Móglia Suñe e Nubia Juliani. Na quarta-feira, quem recebe o carinho dos amigos é Adriana Di Lorenzo, Newton Coutinho e Inaiê Kluwe Costa.

 

Tarragona sob nova direção

Agora sim, Ana Alice Moraes Valls e Aline Moraes Valls Ribeiro encerram o ciclo e passam o comando do Tarragona para Josi Cantarelli e sua equipe. No final de semana, teve despedida do espaço sob o comando desta dupla, que há cinco anos presenteou Bagé com esse belo empreendimento gastronômico. Desejamos sucesso à nova direção!

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...