ANO: 25 | Nº: 6208

Dilce Helena Alves Aguzzi

dilcehelenapsicologa@gmail.com
Psicóloga
09/04/2019 Dilce Helena Alves Aguzzi (Opinião)

Viver é ter um plano B

Não há como viver sem sonhar, sem criar expectativas e sem fazer planos.

É impossível ser minimamente realizado sem a possibilidade de esperar que algo se concretize exatamente do nosso jeito. Entretanto, demoramos um bom tempo de nossa vida até descobrir e posteriormente compreender que fazer planos é essencial. Já realizá-los, exatamente como esperávamos que fossem, nem tanto. Isso porque planejar dá sentido à vida. A organização e o esforço empreendidos na busca pela concretização possibilita muitos outros ganhos, como experiência, paciência e resiliência.
A frustração é uma amarga e transitória resposta emocional surgida após desejos ou planos não serem atendidos.
E, apesar de pertencer à categoria das emoções humanas mais corriqueiras, nem sempre sabemos gerenciá-la e este aprendizado depende muito do meio a nossa volta nos primeiros anos de vida.
Cabe a educação inicial ensinar a criança a perceber que o desconforto causado pela frustração não mata e ainda pode-se canalizar esta energia para vontade de refazer a expectativa.
Não treinar a força interior através das frustrações pode ser muito danoso à evolução pessoal, pois retira o desconforto pós frustração da situação transitória realocando-o numa condição de permanência. Essa nova posição diminui a motivação e pode culminar em abandono de metas de uma forma generalizada promovendo indivíduos desmotivados, apáticos em todos os sentidos.
A capacidade humana de se refazer ante uma decepção é uma habilidade a ser encorajada e desenvolvida e isso pode ocorrer o quanto mais cedo soubermos da verdade.
Ou seja, viver é saber refazer os planos, improvisar, criar o plano B, C, D... todo o alfabeto se necessário.


Planejar dá sentido à vida

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...