ANO: 25 | Nº: 6262

José Artur Maruri

josearturmaruri@hotmail.com
Colaborador da União Espírita Bajeense bagespirita.blogspot.com.br
13/04/2019 José Artur Maruri (Opinião)

As pregações de Tiberíades

Antes da páscoa judaica, Jesus realizou algumas pregações às margens do Tiberíades, o que nos foi descrito pelo Espírito Emmanuel através da psicografia de Francisco Cândido Xavier, senão vejamos:
"(...) O crepúsculo de um dia claro e quente empresta um reflexo de luz dourada a todas as coisas e a todos os contornos suaves da paisagem. Encrespavam-se as águas mansas de Tiberíades ao sopro carinhoso dos favônios da tarde, que se impregnavam do perfume das flores e das árvores. Brisas frescas eliminavam o calor ambiente, espalhando sensações agradáveis de vida livre, no seio robusto e farto da Natureza.
Afinal, todos os olhares se dirigiam para um ponto escuro que se desenhava no espelho cristalino das águas muito ao longe, no horizonte.
Era a barca de Simão, que trazia o Mestre para as dissertações costumeiras.
Um sorriso de ansiedade e de esperança clareou, então, todos aqueles semblantes que o aguardavam, no desconforto de seus sofrimentos.
(...) A barca de Simão acostara brandamente à margem, ensejando a que o Mestre se dirigisse ao local costumeiro de suas lições divinas. Sua fisionomia parecia transfigurada em resplendente beleza. Os cabelos, como de costume, caíam-lhe aos ombros, à moda dos nazarenos, esvoaçando levemente aos ósculos cariciosos dos ventos brandos da tarde.
A esposa do senador não pôde mais despregar os olhos deslumbrados, daquela figura simples e maravilhosa.
Começara o Mestre um sermão de beleza inconfundível e suas palavras pareciam tocar os espíritos mais empedernidos, figurando-se que os ensinamentos ressoavam nas devesas de toda a Galileia, ecoando pelo mundo inteiro, previamente modelados para caminhar no mundo com a própria eternidade.
'Bem-aventurados os humildes de espírito, porque a eles pertencerá o reino de meu pai que está nos céus!...
'Bem-aventurados os pacíficos, porque possuirão a Terra.
"Bem-aventurados os sedentos de justiça, porque serão saciados!
'Bem-aventurados os que sofrem e choram, porque serão consolados nas alegrias eternas do reino de Deus!..."
E a sua palavra enérgica e branda disse da misericórdia do Pai Celestial; dos bens terrestres e celestes; do valor das inquietações e angústias humanas, acrescentando que viera ao mundo não para os mais ricos e mais felizes, mas para consolar os mais pobres e deserdados da sorte.
A assembleia heterogênea escutava-o embevecida nos seus transportes de esperança e gozo espiritual.
Uma luz serena e cariciosa parecia vir do Hebron, clarificando a paisagem em tonalidade de opalas e safiras eterizadas"...

(Referência: XAVIER, Francisco Cândido. Pelo Espírito Emmanuel. Há Dois Mil Anos. FEB Editora. 2010. p.133-134)

José Artur M. Maruri dos Santos
Colaborador da União Espírita Bajeense
Comente: josearturmaruri@hotmail.com

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...