ANO: 25 | Nº: 6260
13/04/2019 Fogo cruzado

‘Somos a única bancada independente’, afirma líder do Novo na Assembleia

Foto: Marcelo Rodriguez Barboza/ Especial JM

Ostermann cumpriu agenda em Bagé, na sexta-feira
Ostermann cumpriu agenda em Bagé, na sexta-feira
Assumindo posição independente, bancada do Novo na Assembleia Legislativa, liderada pelo deputado Fábio Ostermann, defende a manutenção de uma relação cordial com o governo do Estado. “Somos, hoje, a única bancada independente”, reforça.
Ostermann revela que, no início do mandato, durante converso com o governador Eduardo Leite, do PSDB, destacou que o Novo aguarda ‘progresso nas reformas’. “Defendemos a transparência, a eficiência, a economicidade e o respeito ao dinheiro público. Deixamos claro que, se ele seguir isso, pode contar com nosso apoio, nas pautas convergentes com nossas ideias”, pontua.
A agenda do Novo, entretanto, conforme observa o parlamentar, reserva espaço à defesa de reformas estruturais. “Defendemos mudanças, muitas vezes, até mais do que deputados do governo”, enfatiza. Entre os destaques da atuação do partido estão as metas de economia, que vão das nomeações para gabinetes à renúncia de benefícios.
Os deputados do Novo não utilizam diárias. A medida não impede o cumprimento de agendas no interior, a exemplo da participação de Ostermann nas audiências públicas promovidas pela Assembleia Legislativa, em Bagé, na sexta-feira. A postura dos deputados, no contexto do diálogo mencionado por  Ostermann, também gera transformações no parlamento.
Em janeiro, Ostermann e Giuseppe Riesgo abriram mão do auxílio-mudança, concedido aos deputados. O auxílio, que somava R$ 50,6 mil para cada parlamentar, pago em duas parcelas iguais, no começo e no fim do mandato, foi extinto, na semana passada. “O presidente da Casa (deputado Luís Augusto Lara, do PTB), assumiu o compromisso de pautar o assunto. Levou para a mesa diretora, que fez a resolução extinguindo. A autoria do projeto foi da mesa, por uma questão de competência, mas o projeto foi provocado por nós”, reafirma.

Agenda parlamentar
Ostermann tem uma agenda definida de atuação, com foco em pautas do seguimento empresarial, como a desburocratização, simplificação tributária e substituição tributária. “Estamos buscando maneiras de mediar e eliminar impactos negativos”, enfatiza. O deputado, porém, também atua em outras frentes.
O líder do Novo apresentou, por exemplo, um projeto de resolução sugerindo alteração na concessão do Mérito Farroupilha. Se a sugestão for aprovada, a homenagem será viabilizada após aprovação em plenário. “Ontem (quinta-feira), Eduardo Bolsonaro recebeu a medalha. Isso é um constrangimento desnecessário para a Casa, assim como foi na legislatura anterior, a concessão para Jean Wyllys. Vemos a honraria mais alta do Estado sendo dada a pessoas cuja a contribuição para o Estado é discutível”, argumenta.
O parlamentar, que atua em seis comissões e desempenha funções em frentes parlamentares, trabalha, ainda, uma proposta que regulamenta a educação domiciliar. “A proposta abre possibilidade para pais, que, dentro das suas circunstâncias, entendam que dispõem dos meios para a educação em casa. É algo importante para quem tem filhos com necessidades especiais e, também, para pais que moram em comunidades mais remotas. O intuito é criar parâmetros para a atividade que já existe”, explica.

Mínimo regional
A extinção do salário mínimo regional é defendida, por Ostermann, como uma prioridade. “Achamos que tirando a competitividade das nossas empresas, em um momento em que precisamos aumentar a competitividade dos nosso produtos e serviços. Perdemos para outros estados que estão inseridos em uma cadeia logística mais eficiente. Acabamos sofrendo ainda mais com a obrigação, por lei, de pagar um salário artificialmente mais alto. Já existe um salário mínimo nacional”, argumenta.

Foco em Bagé
O encontro realizado na cidade, na noite de sexta-feira, está inserido, segundo o deputado, em um cronograma de de mobilizações do núcleo de Bagé. A intenção do Novo é alcançar 200 filiações até 31 de maio, para criar o diretório. “Cidades maiores do que Bagé tem, praticamente, a metade de filiados. Bagé é um destaque positivo. A expectativa é termos candidaturas em 2020, para a prefeitura e para a Câmara. É uma cidade preferencial (que já conta com 122 filiados)”, reafirma.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...