ANO: 25 | Nº: 6378
23/04/2019 Cidade

Começa o XI Festival Internacional de Cinema da Fronteira

Foto: Reprodução JM

Atriz gaúcha Araci Esteves é a grande homenageada deste ano
Atriz gaúcha Araci Esteves é a grande homenageada deste ano
Bagé, Santana do Santana do Livramento e Rivera (Uruguai) sediam, a partir de hoje, o 11º Festival Internacional de Cinema da Fronteira. Com entrada franca, o evento ocorre nesta terça e quarta-feira na Fronteira da Paz e prossegue, de 25 a 27 de abril, em Bagé. A atriz gaúcha Araci Esteves é a grande homenageada deste ano. Bagé também receberá a presença da atriz e escritora Íttala Nandi.
Esta edição apresenta um recorte temático intitulado "O Renascer do Patrimônio". A seleção deste ano reúne seis longas em competição e seis fora de competição, com títulos em première nacional ou gaúcha, além das mostras competitivas de curtas internacionais e regionais. Os longas da mostra competitiva são "Caminhos Magnétykos" (2018, Brasil/Portugal), de Edgar Pêra, "Domingo" (2018, Brasil), de Clara Linhart e Fellipe Barbosa, "Las Rutas en Febrero" (2018, Uruguai), de Katherine Jerkovic, "Morto Não Fala" (2018, Brasil), de Dennison Ramalho, "Ocho de Cada Diez" (2018, México), de Sérgio Umansky Brener e "Our Madness" (2018, Moçambique/Portugal), de João Viana. A seleção de curtas é composta por filmes de 15 países e revela a diversidade da produção contemporânea.

Programação local

De quinta-feira (25) a sábado (27), o Festival da Fronteira terá mostra competitiva de longas, premiações e outras atrações. As projeções acontecem no Centro Histórico Vila de Santa Thereza (avenida Visconde Ribeiro de Magalhães). Na quinta, das 9h30min às 12h30min, será ministrada a oficina Cinema na Sala de Aula: Como usar Filmes, com a crítica de cinema Fatimarlei Lunardelli, no salão de atos da Urcamp (avenida Tupy Silveira). Às 15h, "Guigo Offline" (2017) passa fora de competição e, às 17h, é a vez do drama histórico "Pedro e Inês" (2018), de António Ferreira, coprodução entre Portugal, Brasil e França, que teve sua estreia no Festival de Cinema de Montreal. À noite, serão projetados os títulos da mostra competitiva de longas: o drama "Las Rutas en Febrero" (2018), de Katherine Jerkovic, às 19h, e "Morto Não Fala" (2018), de Dennison Ramalho, às 21h. Uma das promessas do cinema uruguaio, a produção da jovem realizadora Katherine teve sua première no Festival de Toronto, conquistando três prêmios. O filme gaúcho de horror "Morto Não Fala" é inédito no RS e também teve sua estreia no Canadá, no Fantasia Film Festival. Daniel de Oliveira e Marco Ricca estão no elenco.
Na sexta-feira (26), das 9h30min às 12h30min, acontece o segundo dia da oficina Cinema na Sala de Aula. Às 15h, é a vez da sessão especial com recursos de acessibilidade do filme gaúcho "Bio" (2017), de Carlos Gerbase, que mistura de documentário com ficção e está, atualmente, em cartaz nos cinemas do país. Fora de competição, às 17h, passa o documentário experimental "Yorimatã" (2014), de Rafael Saar, exibido nos festivais de Trieste (Itália) e São Paulo. À noite será exibido em competição, às 19h, o drama "Our Madness", de João Viana, uma das raras produções inteiramente filmadas em Moçambique. O longa ganhou o prêmio de melhor filme no mais importante festival de Portugal, o IndieLisboa, além de ter estreado no Festival de Berlim. Às 21h, também em competição, será exibido o longa-metragem "Domingo" (2018), de Clara Linhart e Fellipe Barbosa. Inteiramente rodado em Pelotas e inédito no RS, o filme terá como sua representante em Bagé a atriz gaúcha Ítala Nandi, premiada melhor atriz no Festival do Rio por este trabalho. A produção teve sua estreia no Festival de Veneza.
No dia 27 (sábado), ainda em competição, o longa mexicano "Ocho de Cada Diez" (2018), de Sérgio Umansky Brener, passa às 14h30min. A produção foi selecionada para o Festival de Cinema de Varsóvia. Às 16h30min, será projetada a coprodução entre Brasil e Portugal "Caminhos Magnétykos" (2018), de Edgar Pêra, selecionado para o Festival de Rotterdam, encerrando a mostra competitiva. A homenagem à Araci Esteves acontece às 18h, com a projeção de "Anahy De Las Misiones" (1997). Os títulos da mostra competitiva regional ganham as telas às 20h e, logo após, às 21h, tem show de encerramento com a dupla musical carioca Jhasmyna & Fidelis, com participação de Rodrigo Garcia. Os vencedores serão anunciados às 22h com a cerimônia de premiação. "O Festival da Fronteira nasceu em torno da revitalização de um Centro Histórico e é fruto da valorização do patrimônio e da memória da região do pampa gaúcho. Este ano nossos olhos se voltam para a Vila de Santa Thereza e seu renascimento artístico no Século XXI", explica Zeca Brito. "Precisamos aprender com o passado, identificar nossos erros e acertos e, partindo de nossas ruínas, construir um caminho sustentável para o futuro", complementa.
O 11º Festival da Fronteira é uma realização da Associação Pró-Santa Thereza e Centro Histórico Vila de Santa Thereza, com financiamento do Sistema Pró-Cultura, da Secretaria de Estado da Cultura (Sedac-RS). A produção é da Anti Filmes, com apoio das prefeituras de Bagé, Santana do Livramento e Rivera e apoio institucional da Urcamp, Unipampa e Udelar. O jornalista Roger Lerina assina a curadoria de longas-metragens. O evento tem direção artística de Zeca Brito e produção de Frederico Ruas e Maristela Ribeiro.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...