ANO: 26 | Nº: 6543
25/04/2019 Esportes

O 2019 jalde-negro: quatro meses de intensas emoções

Foto: Tiago Rolim de Moura

Bagé tem confronto decisivo em Vacaria
Bagé tem confronto decisivo em Vacaria
Neste domingo, às 15h30min, em Vacaria, o Bagé construirá mais um episódio de um quadrimestre extremamente movimentado e de sentimentos opostos. Caso passe pelo Glória, o jalde-negro estará a 180 minutos da tão sonhada vaga para o Gauchão de 2020. Claro, para atingir o objetivo, terá que passar, também, por São Paulo ou Ypiranga, que jogaram ontem à noite – a partida não tinha sido encerrada até o fechamento desta edição. Vamos aos fatos que sustentam o porquê dos primeiros quatro meses no Estádio Pedra Moura terem sido movimentados.
No dia 7 de janeiro, o grupo de jogadores foi apresentado, cheio de expectativas para que estivesse na série A, justamente no ano de seu centenário. Para isso, a direção contratou jogadores rodados, entre eles o maior destaque ficava por conta de Souza, ex-Grêmio, São Paulo, Paris-Saint-Germain e vários títulos a nível nacional e internacional. Entretanto, o início na Divisão de Acesso contrapôs toda expectativa que se tinha.
Já na primeira rodada, duas horas após o empate com o São Gabriel, o Bagé protagonizou a primeira demissão de treinador do campeonato. Por divergências de futebol, a diretoria jalde-negra demitiu Michel Neves e grande parte de sua comissão técnica. Naturalmente, a decisão trouxe abalos que demoraram para ser amenizados. Para o seu lugar, o nome da vez foi Márcio Nunes, respaldado pelas passagens por Ypiranga e São Paulo-RG. No entanto, em função do calendário apertado, o profissional teve pouco tempo para trabalhar e teve três derrotas consecutivas no início de seu trabalho. Da briga pelo acesso à briga contra o rebaixamento, esse era o sentimento contrastante do torcedor. Ainda por cima, Souza, a principal aposta do clube, cumpriu apenas três jogos – abaixo do esperado – e foi desligado do elenco para resolver problemas pessoais.
Aparentemente, a crise estava instalada no Pedra Moura. Porém, veio o feriado de Carnaval. Em vez da folia, o técnico Márcio Nunes fez um treinamento intensivo com o grupo, por cinco dias consecutivos. Além do trabalho técnico, a comissão técnica fez dispensas e enalteceu o aspecto psicológico como grupo. Já na partida seguinte, contra o Cruzeiro, o comportamento em campo era outro e o Bagé conseguiu sua primeira vitória na Segunda Divisão. Da quinta até a última rodada, foram seis vitórias, três empates e apenas uma derrota e, principalmente, a classificação às quartas de final.
Caros leitores jalde-negros, é provável que nenhum outro time no Rio Grande do Sul tenha passado por situações tão opostas, em 2019, quanto o Bagé. E isso, com certeza, foi fundamental para que os comandados de Márcio Nunes chegassem fortalecidos para a reta decisiva da Divisão de Acesso. Então, resta saber qual o desfecho dessa história: a vaga na série A ou o adiamento do sonho? Aguardemos os próximos episódios.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...