MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Segurança

Comunidade de Palmas registra furto de placa

Publicada em 26/04/2019
Comunidade de Palmas registra furto de placa | Segurança | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Placa já foi furtada três vezes do local

O presidente da Associação de Moradores da Comunidade Quilombola de Palmas, Vanderlei Alves, registrou, na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA), que, pela terceira vez, foi furtada e retirada a placa de acesso à comunidade da localidade de Palmas, fixada na BR-153, em Bagé.
Conforme Alves, a placa foi recolocada em três oportunidades e, novamente, sumiu. “Acredito que não tenha outro motivo além de preconceito com a comunidade, pois já levaram três vezes”, contou.
Ele destacou que, desde a primeira vez, fez contato com o Ministério Público Federal. “A Promotoria já está ciente e todas as vezes que foram recolocadas foi a pedido da Procuradoria de Bagé”, comentou.
O presidente da Associação ressalta que, além das placas, já ocorreram duas ocupações de áreas de campo dentro da comunidade. “Um local com 42 hectares e outra área com 46 hectares, nos últimos dois anos, foram ocupadas. Acreditamos que tudo está ligado aos furtos das placas”, comentou.
A assessoria da Procuradora da República em Bagé, Amanda Gualtieri Varela, informou, ao Jornal MINUANO, ter sido instaurado um inquérito federal para o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) recolocar as placas, o que foi realizado em duas oportunidades.
A assessoria ainda ressaltou que, além de representar o crime de dano (Código Penal, art. 163, qualificado pelo inciso III), eventualmente pode traduzir outros crimes, por tratar-se de conduta tomada a prejudicar a identidade cultural da Comunidade Quilombola. Como exemplo, o crime de racismo, se configurado, apesar da dificuldade na tipificação, é inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão de um a três anos mais multa.
Por fim, a assessoria destaca que o fato está sob análise da Procuradora da República para tomada das medidas cabíveis.

 

Galeria de Imagens
Leia também em Segurança
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 999719480

plantao@jornalminuano.online
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

comercial@jornalminuano.online
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

central@jornalminuano.online