ANO: 25 | Nº: 6378
08/05/2019 Segurança

Instituto Sou da Paz rechaça decreto que facilita o porte de armas

O decreto nº 9.785, assinado nesta terça-feira, pelo presidente Jair Bolsonaro, burla o papel do Congresso Nacional ao conceder porte de arma para várias categorias, proibido pela legislação de controle de armas no país, questão que deveria passar pelo crivo do Poder Legislativo. Este é o entendimento do Instituto Sou da Paz que, em nota, apontou que os reflexos destas alterações poderão elevar o número de óbitos.
"O governo não respeita o direito brasileiro propondo decreto contrário à lei. Quem legisla é o Congresso Nacional. Além disso, ignora os efeitos trágicos para Segurança Pública ao possibilitar que milhões de pessoas andem armadas", afirma Ivan Marques, diretor-executivo do Instituto Sou da Paz. "Esta medida ignora o consenso científico de que aumentar a quantidade de armas em circulação aumenta a quantidade de homicídios, especialmente na realidade brasileira de altos índices de criminalidade e de resolução violenta de conflitos. São mais de 45 mil assassinados com arma de fogo por ano", diz.
A proibição de que pessoas pudessem andar armadas nas ruas, segundo o Instituto, foi um dos grandes avanços da Lei 10.826/2003, que ficou conhecida como Estatuto do Desarmamento. "Antes da implantação do Estatuto, o crescimento anual desses homicídios era de 8,1% - índice que foi reduzido para 2,2% ao ano desde então, segundo o último Mapa da Violência", menciona nota do Sou da Paz. “O presidente põe a perder um avanço da segurança coletiva, colocando acima dela o direito individual de grupos e em benefício da indústria de armas”, completa Masques.

Mudanças

Além de possibilitar o porte para diversas categorias, como políticos com mandatos eletivos, caminhoneiros, jornalistas, atiradores ou colecionadores de armas, o decreto amplia o conceito de arma de uso permitido, autorizando que civis tenham acesso a armas que hoje são usadas apenas pelas Forças Armadas e de Segurança Pública. Também aumenta o limite de munições de 50 por ano para 1.000 de uso restrito e 5.000 de uso permitido, diminuiu o controle sobre as vendas dessas munições, e aumenta o tempo de validade do porte de cinco para 10 anos.
“Entendemos que há muito a ser feito para a diminuição da violência no Brasil, como retirar armas e munições das mãos de criminosos, combater o crime organizado, reduzir e esclarecer homicídios, melhorar a eficiência e valorização do policial e gerir melhor o sistema de segurança pública”, diz Marques. “No entanto, insistir em medidas que facilitem a compra e circulação de armas em vias públicas só irá piorar o grave cenário da segurança pública enfrentado pela população brasileira”, conclui.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...