ANO: 25 | Nº: 6331

Fernando Risch

fegrisch@gmail.com
Escritor
10/05/2019 Fernando Risch (Opinião)

A quem serve Bolsonaro?

Talvez eu esteja repetitivo nestes últimos meses. Enjoativo, para ser mais exato, como se tivesse adquirido certa fixação no hediondo. É uma questão humana. É como quando olhamos para algo nefasto, horrendo, que nos machuca os olhos, nos agride o estômago, e ainda assim não conseguimos desviar o olhar. Estou assim: nauseado e de olhos abertos.

Ao que serve Bolsonaro? Ou melhor: a quem serve? Não é possível que o presidente da República não acerte uma. Uma só. Uma vezinha só. Não, ele não consegue. Na sua gestão "sem viés ideológico", o que se viu foi o viés ideológico de extrema-direita exalando uma perseguição a opositores, à exaltação do anti-intelectualismo e à negação da história.

Qual o futuro que o presidente e sua equipe querem para o Brasil e os brasileiros? Querem transformar o Brasil num deserto de miséria e ignorância? Ou talvez em um deserto literal, numa ideia de progresso econômico a botar abaixo tudo que for verde para ser comercializado? Não sei ainda, talvez de tudo um pouco. O eleitor que cravou 17 na urna eletrônica queria o quê? Saúde, Educação, segurança, bem estar social e trabalho? Não era isso? E o que se tem agora?

Tem-se o descontrole completo sobre agrotóxicos de alta toxidade, banidos no mundo inteiro e que comprovadamente, através da ciência (algo não respeitado pelo presidente), causa câncer. Essa é a saúde que se queria? Veneno na mesa? Ou então no corte de 30% dos recursos das universidades e institutos federais, que provavelmente fecharão as portas em setembro por falta de verba, e o corte bilionário no ensino básico? Era essa a educação que se queria?

E os decretos liberando o porte e posse de armas para um quarto de milhão de brasileiros, incluindo armas de uso restrito das Forças Armadas, usadas pelas milícias, e a autorização para que crianças pratiquem tiro sob o consentimento dos pais, mesmo que tudo isso seja condenado por instituições e órgãos que estudam a violência pública no Brasil e no mundo e alegam que só aumentará os índices de violência? É essa a medida para aumentar a segurança pública? Tudo isso enquanto policiais armados e altamente treinados morrem diariamente e confronto com bandidos?

E o bem estar social, fica onde com essa Reforma da Previdência, tentada ser enfiada goela abaixo sem papo e sem discussão? Primeiro, tinha que ser votada a PEC do Teto de Gastos, que congelou as contas públicas por 20 anos. Depois, a Reforma Trabalhista, que com dois anos completada, só aumentou o desemprego. Agora isso, é a Reforma da Previdência ou nada. Uma Reforma que só pensa em cifras e não no bem estar populacional. E a dívida pública, não vamos auditar? Não, porque não vai de encontro com os interesses dos amigos do presidente.

Enfim, o trabalho. Chegamos aos maiores índices de desemprego das últimas décadas. Desemprego que não gera receita para a própria Previdência. Desemprego que não gira a Economia, tendo no consumo o principal propulsor da mesma. Desemprego que traz insegurança, que empurra brasileiros para a informalidade e, infelizmente, para o crime. E que enquanto a população come o pão que o diabo amassou, o presidente fica postando vídeo no Twitter de pessoas urinando umas nas outras, para tentar agitar sua horda de apoiadores contra seus opositores com mentiras.

Eu posso escrever 10, 20, 50 laudas, mas, infelizmente, meu espaço é limitado para externar o cataclismo social a qual o Brasil ruma. O país caminha a passos largos para devastação social, para a indignidade, o desrespeito e à selvageria. Nunca se viu alguém tão despreparado no Palácio do Planalto, em um dos momentos mais delicados da história do país. Alguém preparado apenas para destruir, não construir. A quem Bolsonaro serve? Não sei, mas ao povo brasileiro que não é.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...