ANO: 25 | Nº: 6400

Fernando Fagonde

fernandofagonde@gmail.com
Professor do curso de Sistemas de Informação da Urcamp | CIO da Y
18/05/2019 Fernando Fagonde (Opinião)

People analytics

Eu costumo brincar com meus alunos, sobre as partes de um computador dizendo que hardware é a parte que a gente chuta e software é a parte que a gente xinga.
A IBM é uma empresa que conseguiu com êxito sair de uma dessas área e partir para a outra. Nos seus primórdios era fabricante dos chamados PCs ou computadores pessoais, servidores e outros equipamentos (hardware basicamente) e em algum momento da sua jornada, ela decidiu investir em software e vendeu suas fábricas.
Um dos softwares mais famosos, e na minha opinião o mais incrível, é o IBM Watson, que é uma plataforma cognitiva de serviços para negócios. O nome é em homenagem a um de seus presidentes.
Um dos objetivos do watson era servir como ferramenta para triagem de pacientes em ambulatórios e hospitais, facilitando o trabalhos dos médicos e substituindo humanos na parte fácil desse trabalho, em abril do ano passado a FDA que é uma espécie de ministério da saúde americano autorizou o que eles chamaram de Diagnósticos via Inteligência artificial.
Uma das novidades da IBM, neste ano, foi anunciada pela atual CEO da empresa Ginni Rometty, trata-se do "programa preditivo de atrito", que faz parte das suas soluções de recursos humanos e que, com uma assertividade de 95%, já economizou cerca de 300 milhões de dólares para seu fabricante em demissões e contratações.
Nessa plataforma, o Watson avalia alguns dados dos funcionários e informa, baseado em alguns modelos estatísticos, se algum colaborador possui alguma tendência a pedir demissão ou procurar outra oportunidade de trabalho.
Esses indicadores permitem aos gestores a criação de diversas políticas de retenção para os desmotivados mas que são indispensáveis.
No caso, a empresa está usando o que hoje em dia é chamado de "people analytics" que é o processo de coleta, organização e análise de dados sobre o comportamento dos colaboradores, com o intuito de contribuir para a tomada de decisão em uma empresa, antecipando tendências e aprimorando as estratégias.
Outra funcionalidade da plataforma é a sugestão de cargos de acordo com os perfis e habilidades dos colaboradores.
O escritor americano Jim Collins, considerado sucessor de Peter Drucker diz que uma estratégia para ter sucesso é colocar as pessoas no ônibus e depois colocá-las nos lugares certos". O que o Watson está fazendo é facilitar essa última parte.
Outra vantagem dessa plataforma é a indicação de cursos para o desenvolvimento de competências que cada empregado precisa para melhorar os seus resultados e se desenvolver dentro da instituição, substituindo as avaliações que, muitas vezes, traziam informações insuficientes e subjetivas. De acordo com a CEO da IBM, "você deve colocar IA em tudo o que faz."
As empresas devem estar atentas a esse movimento, a utilização de IA está crescendo em várias áreas de atuação e os benefícios são imensos. Ao contrário do que se imagina, essa "robotização" está ajudando as empresas a se tornarem mais humanas e a desenvolverem melhor o potencial dos seus funcionários, a consequência disso? Melhores resultados para todos.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...