ANO: 25 | Nº: 6335

Viviane Becker

viviminuano@hotmail.com
Colunista social do Jornal Minuano, Viviane Becker é experiente jornalista de geral e conhecida editora do caderno de variedades Ellas.
24/05/2019 Caderno Ellas

Seja hoje melhor do que ontem e amanhã melhor do que hoje

por Marcelo Rodríguez

Acadêmico de Jornalismo da Urcamp


Mergulhados em uma crise econômica gigante, após a Segunda Guerra Mundial, os japoneses acabaram desenvolvendo um conceito que os levou a ser a potência que são hoje. Kaizen. Uma palavra que resume toda uma filosofia de melhoria contínua. Mas, como assim? Eu sei. Talvez possa parecer que hoje eu tenha escrito um texto motivacional para empreendedores. Apesar de parecer um conceito construído em uma aula de coaching, a ideia faz mais sentido aplicada à vida, como um todo, do que a investimentos, por exemplo.

Kaizen propõe mudanças, ou transformações, de forma lenta e contínua. Ou seja, o completo oposto ao que o ser humano sempre deseja: mudanças instantâneas. Como eu já falei, essa filosofia não é aplicável apenas a projetos econômicos ou empreendimentos, mas também aos projetos de vida. Sabe por que ela faz muito sentido? Porque, apesar de sempre queremos mudar rapidamente, as mudanças radicais são, também, sempre intimidadoras, geram medos e ansiedade. No final, o processo acaba sendo muito mais estressante do que deveria.

Bom, basicamente, aplicar a filosofia Kaizen à vida significa dar pequenos passos (bem pequenos mesmo) rumo a determinado objetivo. Aliás, é preciso diferenciá-los de metas. Essas seriam pequenas etapas rumo a um desejo maior, ou seja, um objetivo. Estabelecendo pequenas tarefas que te aproximem, cada vez mais, desse ou desses objetivos, você torna o processo muito mais ameno e há grandes chances de persistir (até porque é normal começar algo, acabar se desmotivando no meio e abandonar tudo).

Você já tem objetivos? Não precisa ser nada gigante. Pode ser em muito longo prazo ou para daqui a três meses. O importante é ter um norte, saber onde se quer chegar. A partir daí, divida esse desafio em etapas e estabeleça metas. Podem ser três, quatro, cinco, enfim, as que você quiser. Mas não pare por aí. Divida essas metas em pequenas tarefas, que possam ser feitas todos os dias. Eu, particularmente, consigo me sentir muito mais feliz quando completo pequenas tarefas que me aproximam dos objetivos.

Se você tem o objetivo de melhorar o seu vocabulário ou aumentar o seu conhecimento em determinada área, por exemplo, um bom jeito para alcançar isso é lendo mais livros. Você precisará estabelecer, como meta, um número de livros que deverá ler por mês ou por ano, enfim. Isso pode parecer intimidador para muita gente. Defina um livro e comece lendo poucas páginas todos os dias, talvez 20, o que vai levar cerca de meia hora. Nesse ritmo, dependendo do tamanho do livro, em duas semanas você terá lido tudo e pode começar um novo.

É apenas um exemplo, mas fica muito claro que para aplicar o Kaizen o você precisa ter, também, paciência. Em determinado momento, pode parecer que não esteja avançando, que está estagnado como no início, mas logo você percebe o avanço. Levemos para um exemplo ainda mais prático. Se o seu objetivo é pintar, mudar a decoração e trocar toda a mobília da sua casa, mas não tem dinheiro para fazer de uma só vez, divida em pequenas etapas. Organize-se, estabeleça um valor para investir e comece por um cômodo, por um móvel, enfim.

Não quero que esse texto seja interpretado como uma simplificação das coisas, pelo contrário. Sei que, às vezes, há situações complicadas e difíceis de resolver, mas também sei que não são impossíveis. Talvez a solução não é a que a gente mais gostaria. Porém, quando a gente para e tenta organizar (pensamentos, dinheiro, qualquer coisa) as coisas vão ficando mais claras e os caminhos para solucionar vão se desenhando. Só há uma coisa que você não pode fazer: ficar parado, porque o mundo vai continuar girando (e ele gira).

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias do caderno

Outras edições

Carregando...