ANO: 25 | Nº: 6458
30/05/2019 Cidade

Lara destaca economia no primeiro quadrimestre de gestão

Foto: Michael Paz/EspecialJM

Petebista também fez apresentação do Planejamento Estratégico
Petebista também fez apresentação do Planejamento Estratégico
Em café da manhã para imprensa e convidados, a Assembleia Legislativa divulgou, ontem, a Prestação de Contas do primeiro quadrimestre de 2019. A apresentação, que contou com parlamentares, representantes do governo do Estado, TCE-RS, Ajuris, Fecomércio, Sindicato dos Engenheiros, superintendentes, diretores e servidores do parlamento gaúcho, foi feita pelo presidente, deputado Luís Augusto Lara, do PTB, no Salão Júlio de Castilhos do Palácio Farroupilha.
Lara iniciou a apresentação lembrando o resultado da campanha Valores Que Ficam, promovida pela Assembleia, ao longo de 2019. Houve um aumento de 42% na arrecadação do Fundo da Criança e Adolescente (Funcriança) no Estado. Até 30 de abril, esse valor representou R$ 13,8 milhões. “E esse valor representa apenas 3% do valor devido pelos contribuintes que se engajaram”, ressaltou Lara. “Nesta segunda etapa da campanha vamos esclarecer que os contribuintes podem doar até 6% do valor devido tanto ao Funcriança quanto ao Fundo do Idoso, além de doar mais 1% ao Fundo da Pessoa com Deficiência e outro 1% ao Fundo das Pessoas com Câncer, chegando, assim, a até 8% do valor estimado devido ao Imposto de Renda”, pondera.
O presidente observou que esse mecanismo de retenção de verbas ainda é pouco utilizado e que o Rio Grande do Sul retém apenas 5% dos recursos que poderiam ser mantidos aqui. “Uma peculiaridade interessante é que em todos os municípios em que realizamos audiências públicas sobre o processo de doação, as arrecadações praticamente dobraram”, celebrou.

Eixo fiscal
O segundo tema abordado foi o eixo fiscal da gestão, onde Lara destacou dois pontos: a luta pela não-extinção dos recursos devidos ao Rio Grande do Sul com as perdas da Lei Kandir, e a transparência na concessão de incentivos fiscais pelo governo gaúcho.
Na questão da Lei Kandir, Lara lembrou que em fevereiro uma comitiva de 17 deputados de 12 bancadas da Assembleia foram em missão a Brasília quando houve ameaça de que o Tribunal de Contas da União (TCU) considerasse extinta a dívida da União com os estados exportadores. “Considero aquela missão um sucesso. Os gaúchos demonstraram que não ficariam de braços cruzados frente ao prejuízo que o Rio Grande do Sul sofreria. Tivemos audiências com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, o chefe da Casa Civil, Onix Lorenzoni, e o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli”.
Em medida inédita, o STF definiu que a dívida não fosse extinta, e estabeleceu que fosse dado novo prazo para o Congresso regulamentar a compensação. Em junho, Lara anunciou que deverá ocorrer reunião entre representantes de assembleias estaduais para traçar estratégias para evitar a extinção dessa dívida da União para com os estados exportadores. “Temos cálculo que apenas a dívida com o Rio Grande do Sul passa de 60 bilhões”, informou.
Sobre a transparência na concessão de incentivos fiscais pelo governo, o presidente esclareceu que não é ‘contra a concessão de incentivos’. “Sabemos da guerra fiscal entre os estados e das perdas que o Rio Grande do Sul pode sofrer se não concedê-los. Apenas queremos transparência, a exemplo do que ocorre em Santa Catarina. Lá, todo incentivo deve ser encaminhado para aval do Tribunal de Contas e Ministério Público”, avalia.

Atuação e gestão
O presidente também falou sobre a atividade do Parlamento. “Estamos em um momento em que o Legislativo apresenta a maior economia de despesas da última década, ao mesmo tempo em que registra uma enorme produtividade de ações parlamentares”, disse.
Lara citou as audiências públicas realizadas até 30 de abril, em quatro cidades-polo, pelo parlamento, para discutir as privatizações e concessões de estradas e serviços públicos, e também as votações em plenário, audiências públicas de comissões e instalação de frentes parlamentares. “Foram mais de cem frentes parlamentares em apenas quatro meses. Cada deputado preside duas ou três frentes temáticas. No âmbito das comissões parlamentares, realizamos 125 reuniões ordinárias e 43 audiências públicas. E no plenário, em três meses de votações posso destacar a aprovação da PEC do Plebiscito (que retirou a necessidade de realização de plebiscito para venda de empresas do estado) e o fim da ajuda de custo para deputados em final de mandato ou reeleitos”, pontuou.
A Assembleia Legislativa consome 1,73% do orçamento do Estado, ficando atrás do Executivo (84,55%), TJ (8,81%) e MP (2,36%). De 2006 a 2018, o Parlamento reduziu em 35% as despesas com pessoal, em 63% as despesas com diárias e em 47% as despesas com indenização veicular. No planejamento estratégico, foi apresentado o Mapa de Planejamento 2019, com cinco eixos: Gestão, Social, Desenvolvimento, Fiscal e Cultural, cada um com seus objetivos e ações próprias.
Lara encerrou a apresentação reforçando a importância do Legislativo em uma democracia. “Ainda ontem o governador Eduardo Leite esteve aqui na Assembleia para entrega de projetos, e na ocasião se referiu à dimensão do papel do Poder Legislativo na sociedade. O governador lembrou que o Executivo apenas formula as propostas. Quem decide a implementação ou não é o Legislativo. E eu afirmo que apenas pelo respeito a essas decisões e à pluralidade do Legislativo é que poderemos avançar como sociedade”. O presidente também registrou a importância da gestão compartilhada e da colaboração estabelecida entre os quatro presidentes que se revezarão nesta 55ª Legislatura (Lara/PTB, Ernani Polo/PP, Gabriel Souza/MDB e Valdeci Oliveira/PT).

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...