ANO: 25 | Nº: 6400
01/06/2019 Segurança

Juiz acata denúncia de racismo contra senegalês

Uma mulher flagrada, em vídeo, no dia 28 de agosto de 2017, no centro de Bagé, agredindo, com palavras, um senegalês, terá que se defender na Justiça. O fato, à época, teve ampla repercussão na Rainha da Fronteira. Na quinta-feira, o juiz da 2ª Vara Criminal, Cristian Prestes Delabary, acatou a denúncia da assistência da acusação e, agora, ela irá responder judicialmente pelo crime de injúria racial.

De acordo com a advogada Patrícia Alves, contratada pelo Grupo de Apoio a Refugiados e Imigrantes, a denunciada será citada. “Agora, começa o processo. Uma pena que tenha demorado, mas conseguimos. Depois, teremos as audiências e vamos ver qual será a conclusão. Estamos lutando por essa causa, pois o racismo é uma realidade que deve ser culpabilizada”, disse à reportagem do Jornal MINUANO.

O fato, ocorrido em 2017, gerou comoção e resposta do Grupo de Apoio a Refugiados e Imigrantes, assim como do Black Sul, e da população local.

Relembre

No dia 28 de agosto de 2017, o caso de racismo e xenofobia (preconceito contra imigrantes) foi registrado na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA). O fato ocorreu em frente a uma loja, na avenida Sete de Setembro.

Um senegalês, de 42 anos, que residia no Brasil, há 10 anos, estava trabalhando, vendendo produtos no centro, quando foi vítima de racismo. Ele contou, no boletim de ocorrência, que uma mulher se aproximou e, sem motivo algum, lhe desferiu um tapa nas costas. Após, arrancou o seu boné e jogou no chão.

A vítima, que é naturalizada como brasileiro, também informou que a acusada começou a lhe xingar, o chamando de ‘escuro’ e de ‘lixo’, dizendo para que ele ‘voltasse para o seu país, para morrer de fome’. Amigos e testemunhas acompanharam o fato e identificaram a suspeita.

 

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...