ANO: 25 | Nº: 6332
12/06/2019 Cidade

Escolas cívico-militares devem ser implantadas no segundo semestre

Foto: Jaqueline Muza/ Especial JM

Uniformes serão utilizados por alunos das  escolas convidadas
Uniformes serão utilizados por alunos das escolas convidadas

O município de Bagé está em fase avançada para a implantação de escolas cívico-militares. O projeto do governo federal que incentiva a implantação do modelo será apresentado na Câmara de Vereadores, na próxima semana. A ideia do Executivo local é implantar o modelo piloto na Escola Municipal de Ensino Fundamental João Severiano, no bairro Castro Alves, assim como na Escola Municipal de Ensino Fundamental São Pedro, no bairro Getúlio Vargas.
Conforme a secretária de Educação e Formação Profissional, Adriana Lara, o projeto está sendo construído em parceria com as direções das duas escolas, Conselho Municipal de Educação e o setor pedagógico da pasta. Ela comenta que Bagé se diferencia um pouco da proposta do Estado, que é fundamentada em conceitos como respeito à hierarquia, disciplina, patriotismo e valorização da meritocracia. Adriana conta que foi realizada uma pesquisa de campo em locais onde funcionam escolas militares. A tratativa, segundo ela, busca uma gestão compartilhada entre corporações militares e secretarias de Educação, de forma que as primeiras seriam responsáveis pela administração e disciplina, enquanto as segundas ficariam a cargo da condução pedagógica nas instituições de ensino.
Segundo a secretária, em Bagé, como o município é responsável pelo Ensino Fundamental, o modelo será implantado dos 6º ao 9º anos. O tempo de ensino será de cinco horas de atividade por dia e os monitores irão trabalhar na sala de aula com temas sobre cidadania, disciplina, hierarquia, combate as drogas e cultura da paz. Além disso, Adriana relata que os monitores devem ser integrantes da Brigada Militar, Corpo de Bombeiros e Exército. “Nossa ideia é que os monitores já tenham formação com este tipo de trabalho e que já possuam experiência com o Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência e Pelotão Mirim”, completa.
A ideia é uma proposta específica, elaborada de acordo com a realidade de Bagé. “No primeiro momento serão contemplados em torno de 600 alunos. No final do ano, devemos abrir edital para novas vagas”, disse. A secretária também anunciou que solicitou a confecção de uniformes específicos para as escolas. Entre as mudanças, ainda consta a implantação dos idiomas inglês e espanhol na grade curricular. Os alunos que tiverem dificuldade no ensino regular, deverão ter aulas de reforço no turno inverso.

Modelo e convênio

A implantação do modelo depende de aprovação do projeto de lei que está sendo construído. Para dirimir as dúvidas da população sobre a iniciativa, ontem à noite, foi realizada uma audiência pública na Câmara de Vereadores de Bagé, convocada pela Comissão de Educação, Cultura, Direitos Humanos e Segurança.

O PL irá permitir o convênio entre Município e Estado para a cedência de militares estaduais da reserva para as funções de monitor em escolas públicas Municipais e Estaduais; e também permite que militares reservistas das Forças Armadas, independente de posto ou graduação possam ser aproveitados nessa função nas escolas da rede pública.

 

 

 

 

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...