ANO: 25 | Nº: 6335

Airton Gusmão

redacaominuano@gmail.com
Pároco da Catedral
15/06/2019 Airton Gusmão (Opinião)

Em comunidade, juntos na missão, criamos raízes

Domingo, 16 de junho, Festa da Santíssima Trindade, estará acontecendo no município de Santa Margarida do Sul, paróquia do Arcanjo São Gabriel, o 18º Encontro Diocesano de Comunidades Eclesiais de Base (Ceb’s), tendo como tema: “Em comunidade, juntos na missão, criamos raízes”, e lema: “Permaneçam unidos a mim e eu permanecerei unidos a vocês” (Jo 15,4). Durante este encontro se dará também a Abertura oficial do Ano Jubilar de 60 anos da Diocese de Bagé.
A comunidade cristã não é puro fenômeno sociológico, não é meramente a consequência de circunstâncias históricas. A dimensão relacional e comunitária pertence à essência do ser humano, ao seu destino. A comunidade encarna o ser humano; pois a pessoa humana não é chamada a realizar-se na solidão e sim na comunidade.
São Paulo Apóstolo desejando a presença e a bênção trinitária para a comunidade de Corinto, ele diz: “A graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo esteja sempre convosco” (2Cor 13,13).
A Igreja nos diz que “os cristãos são batizados ‘em nome’ do Pai e do Filho e do Espírito Santo e que o mistério da Santíssima Trindade é o mistério central da fé e da vida cristã. É, portanto, a fonte de todos os outros mistérios da fé, é a luz que os ilumina” (Catecismo da Igreja Católica, nº 233 e 234).
A Igreja foi desejada e projetada pelo Pai, é criatura do Filho e constantemente é vivificada pela ação do Espírito Santo. A dimensão comunitária é fundamental na Igreja, pois se inspira na própria Santíssima Trindade, a perfeita comunidade de amor.
Muitas pessoas perguntam: o que são as Comunidades Eclesiais de Base (Ceb’s)? O Documento 100 da CNBB: Comunidade de comunidades, uma nova paróquia, responde o seguinte: “Elas são um instrumento que permite ao povo chegar a um conhecimento maior da Palavra de Deus, ao compromisso social em nome do Evangelho, ao surgimento de novos serviços leigos e à educação da fé dos adultos. Elas trazem um novo ardor evangelizador e uma capacidade de diálogo com o mundo que renovam a Igreja. Elas constituem em nosso país, uma realidade que expressa um dos traços mais dinâmicos da vida da Igreja e continuam sendo um sinal da vitalidade da Igreja” (nº 228 e 229).
Falando ainda das Comunidades Eclesiais de Base (Ceb’s), esse mesmo documento continua dizendo sobre o que elas são e qual a sua missão: “Elas são a presença da Igreja junto aos mais simples, comprometendo-se com eles em buscar uma sociedade mais justa e solidária. Elas constituem uma forma privilegiada de vivência comunitária da fé, inserida no seio da sociedade, em perspectiva profética; tendo a sua centralidade na Palavra de Deus, na Eucaristia e no valor do pequeno grupo que forma a comunidade, a fraternidade e a solidariedade em favor do Reino de Deus” (nº 229 e 230).
As Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil: 2019-2023, nos dizem o seguinte: “As pequenas comunidades eclesiais missionárias são compostas por pessoas que se reúnem, movidas pela fé em Jesus Cristo, para a escuta da Palavra, buscando luzes para viver a fé cristã numa sociedade de contrastes. Vencendo o anonimato e a solidão, promovem a mútua ajuda e se abrem para a sociedade e para o cuidado da Casa Comum” (nº 84).
Façamos a nossa parte. Sejamos alegres na esperança, fortes na tribulação, perseverantes na oração e solidários com os que sofrem. Um bom final de semana a todos e até uma próxima oportunidade.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...