ANO: 25 | Nº: 6383

Norberto Dutra

redacaominuano@gmail.com
Pastor e presidente da Igreja Assembleia de Deus de Bagé Doutor em Divindade
13/07/2019 Norberto Dutra (Opinião)

Um verdadeiro servo de Cristo é obediente

A escravidão sempre existiu em diferentes épocas da história – e ainda está presente em diversas culturas. No início da era cristã, a organização econômica do Império Romano atendia às exigências do sistema escravista. Nesse período, existiam basicamente dois tipos de escravos: os que eram forçados a viver em tal condição e os que optavam por ela. No Novo Testamento, a palavra grega utilizada para designar um servo (ou um escravo) é doulos. Esse vocábulo remete à ideia de uma pessoa de confiança, que se submete à vontade de seu amo. Consciente das implicações da escravidão em seu tempo, Paulo enfatizou a importância da sujeição pessoal do cristão a Jesus, seu Senhor (1 Coríntios 9.19b), fazendo referência à submissão voluntária, e por amor, do servo ao seu amo (conforme a descrita em Êxodo 21.1-6). Analisemos, brevemente, a curta parábola do Evangelho de Lucas, referente a um servo que fez aquilo que lhe fora ordenado, sem ter recebido por isso qualquer crédito: E qual de vós terá um servo a lavrar ou a apascentar gado, a quem, voltando ele do campo, diga: Chega-te e assenta-te à mesa? E não lhe diga antes: Prepara-me a ceia, e cinge-te, e serve-me, ate que tenha comido e bebido, e depois comerás e beberás tu? Porventura, dá graças ao tal servo, porque fez o que lhe foi mandado? Creio que não. Assim, também vós, quando fizerdes tudo o que vos for mandado, dizei: Somos servos inúteis, porque fizemos somente o que devíamos fazer. (Lucas 17.7-10). Com base no texto de Lucas 6.32-36, responda á seguinte pergunta: somos dignos de prêmios ou louvores por cumprimos com nossas obrigações? A resposta parece óbvia, pois o servo não deve esperar ser recompensado por fazer aquilo que se espera dele. No texto de Lucas, a pergunta de Jesus – que Ele mesmo responde – é altamente desafiadora: Porventura, dá graças ao tal servo, porque fez o que lhe foi mandado? Creio que não (Lucas 17.9). Somos instigados pelo Mestre a não nos limitarmos às demandas da lei; Jesus requer de nós obediência absoluta, sem que esperemos receber dele quaisquer honrarias ou glórias. Servo de Cristo obedece à Sua voz e à Sua Palavra. Se somos desobedientes, não podemos ser considerados servos de Cristo. Precisamos aprender a ser submissos e humildes, pois seremos considerados servos inúteis se apenas cumprirmos com o nosso dever (Lucas 17.10). Deus abençoe a todos e até o próximo final de semana. Amém!

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...