ANO: 26 | Nº: 6528
18/07/2019 Esportes

Com presença de Paulão, Bagé abre os trabalhos para a Copinha

Foto: Tiago Rolim de Moura

Ex-jogador de vôlei deixou mensagem motivacional aos atletas
Ex-jogador de vôlei deixou mensagem motivacional aos atletas
Pelo oitavo semestre consecutivo, o Bagé manterá ativo seu futebol profissional, um privilégio para poucos nos tempos de crise do esporte no interior. Ontem, pela manhã, a equipe deu o pontapé inicial na intertemporada para a disputa da Copa Seu Verardi, que começa no dia 11 de agosto. No salão do Estádio Pedra Moura, os diretores apresentaram a comissão técnica e 19 jogadores (três em fase de testes) que vestirão as cores amarelo e preto. Nos próximos dias, outros nomes devem chegar ao bairro Menino Deus, como o atacante Skilo, que atuou pelo clube nas quartas de final, diante do Glória. E, possivelmente, jogos-treinos e amistosos devem ser agendados.
A cerimônia de apresentação foi mais discreta, numa comparação com janeiro, quando iniciaram os trabalhos para a Divisão de Acesso. Entretanto, contou com um convidado de peso: Paulão, ex-atleta da seleção brasileira de vôlei, medalha de ouro nas Olimpíadas de Barcelona (1992). Ele também participou em Seul (1988) e Atlanta (1996). O ex-jogador está na cidade a convite do jornalista e leiloeiro Nando Farinha, seu amigo pessoal. Vale lembrar que, em 2017, ele realizou uma palestra em Bagé, contando sua trajetória.
Durante alguns minutos, contou um pouco de sua trajetória no esporte e deixou uma mensagem de incentivo aos jogadores. "Foram 15 anos de seleção e três Olimpíadas. Em 1992, chegamos a Barcelona com a meta de ficarmos entre os cinco, pois o Brasil ainda não tinha ganho nenhum título grande. O que fez chegarmos ao resultado foi a vivência dos treinamentos. Sou de Gravataí e um professor de Educação Física que pagava minhas passagens para treinar. O dia que tive mais orgulho foi quando pude comprar uma torta e dividir com meus irmãos. O que tenho na minha vida devo ao esporte. Tudo passa pelo treino. Façam que o Bagé seja importante e sempre busquem o melhor treino. Rezem para isso. Se vocês morderem os dentes, ninguém poderá ganhar de vocês aqui dentro", manifestou. No final, diretores entregaram uma camisa de treino do Abelhão ao profissional.

Clube ativo

Em sua fala, o presidente Rafael Alcalde destacou a importância de manter o Departamento Profissional ativo e de utilizar este semestre como forma de preparação para 2020, ano do centenário. "É o oitavo semestre seguido que o Bagé faz futebol. Um clube, para existir, tem que fazer futebol, mesmo com dificuldades financeiras. Para mim, é uma forma de respeito ao torcedor e ao sócio que paga mensalidade. Das 20 equipes, calculo que, pelo menos, oito montarão times para chegar. E são apenas duas vagas para a Copa do Brasil e série D nacional. A dificuldade será grande, mas com treinamentos bem feitos, a chance de sucesso aumenta. Vamos ter problemas, mas não podemos fazer tempestade em copo d'água. E agradeço ao Rodrigo Trindade, por seguir apostando no Bagé e num novo método de fazer futebol no clube", ressalta.
No embalo, o diretor-executivo e investidor, Rodrigo Trindade, reconheceu que a campanha do primeiro semestre foi de muito aprendizado. Porém, se mostrou entusiasmado em tentar buscar vaga para alguma competição nacional. "Ficarei no Bagé por um bom tempo. Estou muito contente com as ideias do Badico. Recebemos mais de 200 vídeos de jogadores que queriam vir para o Bagé. Vocês (jogadores) foram os escolhidos. Desejo sucesso a todos", enfatiza.

"Amadureci nesse tempo fora", afirma técnico

Nos gramados do interior, Badico brilhou como centroavante. Agora, na casamata, tem a responsabilidade de guiar o Bagé até o ano de seu centenário. Aliás, foi no Pedra Moura que o artilheiro, hoje atleta do Gente Bem, deu seus primeiros passos como treinador. "Em 2008, o Bagé passava por um momento difícil e o Ducos, meu padrinho de casamento, me chamou, sem experiência. E quebrar barreiras com quem é da casa, não é fácil. Ao sair da cidade, tive experiências muito grandes. Em 2013, trabalhei oito meses no São José. No mesmo período, fiz estágio com o Osmar Loss e o André Jardine, hoje técnico da seleção brasileira sub-20. Me sinto muito feliz em voltar ao Bagé, perto do seu ano histórico. Encaro como um reconhecimento", observa.
Quanto aos critérios para montagem do plantel, Badico deixou claro que, além do aspecto técnico, dá valor para comportamento aguerrido dentro de campo. "Quando fui contratado, pedi liberdade e autonomia para montar um time com meu perfil. Faremos uma preparação forte do Bagé para o centenário. Jogará quem trabalhar melhor, que tiver responsabilidade dentro e fora de campo. E algo fundamental será a lealdade. Eu vou planejar, mas os artistas são vocês (jogadores). Temos que tratar isso aqui como uma empresa. São vocês que vão colocar 2,5 mil pessoas aqui dentro do estádio. Aí jogará quem estiver melhor", finaliza.
Vale ressaltar que, além da comissão técnica, o Bagé contará com o trabalho do supervisor Paulino Ximendes e do gerente executivo Darlan Berneira. Já a função de diretor de futebol será exercida por Luiz Henrique Lamadril.

O PLANTEL

Jogadores/último clube
Goleiros – Vandré (Glória) e Gabriel Medina (São Paulo-RS)
Laterais - Matheus Ferreira (São Paulo-RG) e Talisson (São Paulo-RS)
Zagueiro – Ilson (Bagé)
Volantes – Guilheme (Bagé), Matheus Damasceno (Bagé), Moisés Baiano (Gaúcho), David (São Paulo-RS), Vítor Oliveira (São Paulo-RS)
Meias – Fernandinho (Bagé), Cristiano Salibi (Guarani-VA) e Willian Lima (Guarany)
Atacantes - Willian Ribeiro (São Paulo-RS), Rômulo (Guarani-VA) e Vinícius Martins (Esportivo)
Em fase de testes – Iago, Estevão Obina e Roberto Brum

Comissão técnica
Treinador – Rinaldo Lopes (Badico)
Preparador físico - Rafael Fernandes
Preparador de goleiros - Sandro Islabão
Massagista - Deividi Rosa

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...