ANO: 25 | Nº: 6399
13/08/2019 Cidade

Projeto de mineração deve gerar mais de mil empregos em Lavras do Sul

Foto: Reprodução JM

Complexo
Complexo "Fosfato Três Estradas" prevê ações ao longo de 50 anos

A Águia Fertilizantes busca licença prévia, junto à Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler (Fepam) para instalação, na localidade de Três Estradas, em Lavras do Sul, de uma indústria para extração e beneficiamento de minério de fosfato - projeto anunciado em 2015. Agora, a empresa tem até sexta-feira, 16, para entregar respostas a questões feitas pela Fepam.

De acordo com as informações repassadas pela assessoria de imprensa da empresa, os esclarecimentos técnicos complementares já respondidos pela Águia Fertilizantes e Golder Associates, responsável pela realização do Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto do Meio Ambiente (EIA/Rima), devem ser encaminhados nesta semana, dentro do prazo previsto. Se aprovados, a Fundação deve liberar a licença prévia para a empresa em até um mês. Com a LP em mãos, a empresa dará início à busca pela Licença de Instalação (LI) e Licença de Operação (LO).

O projeto Fosfato Três Estradas surge com o objetivo de extrair, beneficiar e comercializar o minério de fosfato para produção de matéria-prima voltada às indústrias de fertilizantes, de corretivo agrícola e nutrição animal. Com a implantação da mina, que prevê cerca de 50 anos de operação, será produzido um concentrado de rocha fosfática para uso das indústrias produtoras de fertilizantes já existentes no município de Rio Grande, reduzindo em 80% a dependência de matéria-prima hoje importada.

A empresa estima que, durante a fase de implantação das obras, serão mobilizadas cerca de 700 pessoas para trabalhos temporários. Para cada emprego direto, geram-se três indiretos, somando um montante de mais de duas mil pessoas. Após a fase de construção, inicia-se a etapa de operação, que deverá utilizar em torno de 350 trabalhadores permanentes.

O prazo estimado para implantação do Projeto Fosfato Três Estradas, após a liberação da licença ambiental de instalação, é de dois anos. Durante os 50 anos previstos para operação da mina, o projeto se dividirá em três fases: na fase um, de quatro anos, somente o minério oxidado será beneficiado; na fase dois, de 19 anos, o minério em rocha fresca será beneficiado e o calcário agrícola será produzido; já na terceira fase, de 27 anos, haverá a secagem e venda do calcário agrícola depositado na barragem. Nessa última, não haverá mais a produção do minério de fosfato.

O Projeto Fosfato Três Estradas é um dos futuros empreendimentos minerários em curso no Rio Grande do Sul e forma, hoje, parte das estratégias de desenvolvimento do Estado, inclusive fazendo parte do Plano de Mineração do RS, divulgado em dezembro de 2018. A Águia está instalada em Lavras do Sul desde junho de 2011, realizando pesquisas minerais com o objetivo de confirmar a quantidade e qualidade da ocorrência mineral existente em Três Estradas.

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...