ANO: 25 | Nº: 6357

Viviane Becker

viviminuano@hotmail.com
Colunista social do Jornal Minuano, Viviane Becker é experiente jornalista de geral e conhecida editora do caderno de variedades Ellas.
16/08/2019 Caderno Ellas

O cardeal e o amigo americano

Foto: Reprodução JM

por Gerson Luís Barreto de Oliveira
por Gerson Luís Barreto de Oliveira

por Gerson Luís Barreto de Oliveira

Médico nefrologista e escritor

 

O restaurante Esquina Bianchetti, aqui em Bagé, durou 16 anos, no seu auge dos primeiros 10 anos, era um local onde todos se encontravam, comiam bem e, em alguns casos, bebiam bastante.

Meu pai comprava vinhos (foi um dos primeiros a comprar os chilenos para que fossem consumidospelos clientes da casa), para servir durante o jantar.  A casa ficava um corre corre quando chegava o fim de semana, momento de maior frequência das famílias que saiam para comer fora, e buscavam as massas que nossa família era pródiga em fazer, geralmente havia algum pedido de bebida para os adultos. Os vinhos eram guardados fechados à chave no local que o pai usava como escritório.

Havia uma trupe numerosa de amigos do meu pai que apareciam noite após noite, para jogar conversa fora, e ver o movimento de quem circulava pelo salão. Essa era turma do whisky e da cerveja, tinham até uma denominação  “Plenário".

Um acontecimento era quando chegavam  “os gringos“. Meu pai tinha alguns amigos da Serra Gaúcha. Quando recém-casado com minha mãe, ele chegou a ser convidado por um desses amigos, que queria que ele fosse trabalhar no frigorífico que administrava. Mas meu pai ficou com receio de morar longe da mãe dele, que viuvara cedo e dele dependia por ser o único filho homem.

Esse amigo pródigo era um italiano baixo, gordo, com um temperamento extrovertido, cabelo branco cortado no formato escovinha. Ao adentrar ao salão vindo da sua cidade já ia gritando com os braços abertos, e um sotaque carregado: “Sirinho!” Meu pai abria um sorriso e abraçavam-se efusivamente no meio do salão.

Em Caxias, ele era também dono de um hotel, que foi o lugar onde meus pais recém casados passaram a lua de mel. Foi servido na ocasião (isso lá por 1962) a deliciosa salada de figos maduros e presunto que meu pai adotaria como sua predileta para o resto da vida, e que eu compartilho até hoje.

O italiano, quando ia a Bagé, pedia permissão à minha mãe para usar a cozinha do Bianchetti, queria homenagear a sua visita à minha família com um prato de massa, geralmente “à carbonara“, minha mãe suspirava e deixava. O ambiente da cozinha era devolvido como se um furacão passasse deixando tudo revirado. Meu pai adorava a função. A massa do amigo era de outro planeta, uma delícia.

Nas outras noites, o “gringo“ aprontava. Ele ia a um conhecido lugar de moças, como falar para não ferir suscetibilidades nestas páginas sem censura, moças alegres que gostavam de se divertir com homens à procura de muita diversão.

Ele ligava de lá para o Bianchetti, fazia o pedido de muitas “À  la Minutas“ (prato que tem seu preparo rápido, um bife, ovo, arroz, feijão, salada e batatas fritas), e exigia que o meu pai entregasse. Meu pai ia entregar e voltava às gargalhadas: “acreditas que ele está se passando por um cardeal de Roma, e pede para que todas beijem o anel do cardinale “. Minha mãe que anotara o pedido, séria olhava para o relógio, e o pai ainda rindo: “ele queria que eu ficasse”. O italiano quase causa uma crise no casamento dos meus pais, mas a história era tão burlesca que minha mãe não aguentava e também começava a rir.

Outra figura que marcou as noites do Bianchetti era um americano alto, forte que nem um touro e com a cara mais vermelha que eu conheci. Ele era um técnico viticultor da Califórnia chamado simplesmente pelo pai de Mister Bill.      

Poucos ainda lembram que uma reconhecida vinícola quis começar suas plantações de extenso parreiral primeiro em Bagé, o que inicialmente não foi um sucesso.

O americano entornava uma garrafa de vodka antes do jantar, para assombro do pai, e depois pedia vinho e a cara cada vez mais vermelha parecia que inchava. Ninguém aguentava beber junto com ele. O pai que bebia moderadamente, e não falava inglês, tinha se tornado muito amigo do Mister Bill. Este, o entrar no Bianchetti, também abria, tal qual o “gringo“ de Caxias, os braços de enorme envergadura e gritava alto ao ver meu pai “Mister BIanchetti!“ e começava outro abraço efusivo.

Minha mãe perguntava: “mas do que vocês falam?”. Ele respondia: "depois do segundo copo eu não sei qual idioma estou falando, só sei que a conversa é boa". E antes de Rivera ter seus free-shops meu pai era presenteado com muitas garrafas das mais finas bebidas, de licores, conhaques e scotch, era o mister Bill que trazia da Califórnia toda vez que vinha a Bagé.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias do caderno

Outras edições

Carregando...