ANO: 26 | Nº: 6590
21/08/2019 Cidade

Projeto Fábrica de Gaiteiros tem captação de verbas, via Lei Rouanet, aprovada para 2020

Foto: Jaqueline Muza/ Especial JM

Geovanna arrisca algumas musicas na gaita
Geovanna arrisca algumas musicas na gaita

O Plano Anual de Atividades e Manutenção da Fábrica de Gaiteiros, para o ano de 2020, foi publicado no Diário Oficial da União. O valor previsto, aprovado pela Lei Rouanet, é de R$ 896.530,59 e deverá ser captado até 31 de dezembro deste ano. O projeto, na atualidade, é mantido pelo Instituto Renato Borghetti de Cultura e Música (IRB) e atende cerca de 550 crianças e adolescentes em 12 unidades.

Conforme o diretor do IRB, Marcos Borghetti, é a terceira vez que o Instituto é aprovado. Ele salienta que as empresas que se interessam em auxiliar o projeto podem confirmar apoio através do site www.fabricadegaiteiros.com.br. “A captação sempre é uma parte difícil e estamos disponíveis para atender as empresas”, ressalta.

A unidade de Bagé, que conta, hoje, com 55 alunos, é desenvolvida numa parceria entre a Prefeitura e o Instituto Renato Borghetti. Ao longo dos anos, já formou 250 alunos, em cinco anos de existência. A iniciativa atende crianças e adolescentes, de 7 a 15 anos.

Conforme o coordenador do projeto, Augusto Freitas (Maradona), além de ensinar a musicalização, o projeto é um instrumento de cidadania. “Não dá para parar. As aulas auxiliam na vida e também proporcionam a profissionalização. Estamos buscando parceiros para manter o projeto”, frisou.

Maradona relata que o primeiro aluno da Fábrica de Gaiteiros, Guilherme Moraes, hoje com 19 anos, além de tocar profissionalmente, já está trabalhando como instrutor do projeto. Ele conta que está sendo aberta uma unidade do projeto em Candiota e que o jovem irá auxiliar nas aulas. “Será uma extensão de Bagé, com integração entre alunos dos dois municípios”, relata.

Os jovens Geovanna Petrovichi, de 11 anos, Otávio Poschi, 9, e Guilherme Betervide, 12, estão iniciando no projeto. A menina está aprendendo há dois meses e já arrisca algumas canções, como Mercedita. “É muito bom. No início dói um pouco os dedos, mas em seguida a gente acostuma”, relata.

Participação

Para participar do projeto é necessário entrar na fila de espera. De acordo com Maradona, as aulas são de segunda a quinta-feira, nos turnos da manhã e tarde. Atualmente, são 60 vagas disponíveis e são realizados em torno de 80 apresentações por ano.

A Fábrica de Gaiteiros é um projeto gratuito voltado à sociedade que forma construtores e alunos de acordeão diatônico, instrumento conhecido popularmente na região sul do Brasil como gaita de oito baixos. O projeto é realizado na cidade de Barra do Ribeiro, onde se encontra a sede, com uma fábrica de acordeons, três salas de aula, um espaço para exposições, uma rádio web e um auditório para 85 pessoas. Atinge, na atualidade, dez cidades do Estado: Porto Alegre, Guaíba, Bagé, Tapes, Butiá, São Gabriel, Lagoa Vermelha, Arambaré, Piratini e duas em Santa Catarina (Lages e Blumenau), que recebem as gaitas gratuitamente pela Fábrica, assim como toda metodologia (método e material didático) de ensino e manutenção das gaitas.

 

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...