ANO: 25 | Nº: 6485

Viviane Becker

viviminuano@hotmail.com
Colunista social do Jornal Minuano, Viviane Becker é experiente jornalista de geral e conhecida editora do caderno de variedades Ellas.
23/08/2019 Caderno Ellas

A trilha sonora de sua vida

Foto: Reprodução JM

por Nathália Gougo
Acadêmica de Jornalismo da Urcamp

 

Rodrigo Thompson Flores

O jovem bajeense de 28 anos, relata que desde muito cedo tem contato com a música. O estímulo veio da família materna, ao observar sua avó e tia tocando piano e violão. Aos 10 anos, fez as primeiras aulas de piano com sua tia Vera Regina, e, na sequência, passou a se dedicar a aprender a tocar vários instrumentos como flauta, violão e teclado.

Muito jovem, integrou uma banda de rock de garagem, onde os integrantes se reuniam apenas por hobby.  Mas foi em 2008, que aconteceu o start para a profissionalização daquilo que seria sua grande paixão. Nesse período, começou a fazer shows na noite como parte da banda DiBobeira de Alegrete. Iniciou tocando violão, depois começou a fazer backing vocal e, eventualmente, cantava algumas músicas no show.

Flores retornou a Bagé, em 2010, quando trocou de faculdade. Aqui, montou a banda de pagode Eh tudo Nosso, onde, desde o início, é vocalista e instrumentista, priorizando a música como sua principal profissão.  

Fala também que não existe uma fórmula para a música ser boa, que ela se torna boa se as pessoas gostarem, e também ressalta que o importante na música é que ela traz disciplina, foco, criatividade, fazendo as pessoas correrem atrás dos seus objetivos.

Passeando por diversas vertentes, tem influências desde o rock até pop, do reggae ao sertanejo. Na figura de Humberto Gessinger, ele teve seu primeiro grande ídolo, quando começou sua trajetória profissional na música. No samba e pagode, tem como referências Arlindo Cruz, Mumuzinho, Péricles e Ferrugem. Rodrigo procura se guiar e influenciar por bons artistas não só na parte musical, mas também na carreira.

Em seus shows,  toca vários estilos, como rock, reggae, pagode, música internacional, música latina, samba, sertanejo, dentre outros. Procura sempre tocar músicas boas e de qualidade, independente do gênero, além é claro, daquelas que fazem sucesso entre o público. Além da cidade de Bagé, já passou por Melo (Uruguai), Dom Pedrito, Lavras do Sul e São Gabriel. Em 2018, realizou 342 shows e espera superar essa marca neste ano.  

Um recado para aqueles que sonham em viver da música: "É preciso ter foco, estudar muito, cantar ou tocar necessita de muito estudo e dedicação. Procure um diferencial principalmente em cidades pequenas onde se faz tudo sozinho no início", sugere.

Para acompanhar ou conhecer o talento desse músico é possível encontrá-lo nos próximos dias nas seguintes datas e locais:

23/08 – Hora 12 e Barô

25/08- Feirão da Apae

28/08 – Participação especial no evento Alimente uma mente, na escola Caic

 

 

 

 

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias do caderno

Outras edições

Carregando...