ANO: 25 | Nº: 6334

Cássio Lopes

cassio_241@hotmail.com
27/08/2019 Cássio Lopes (Opinião)

A roupa e a cama do peão de estância de outrora

Antigamente, os peões campeiros passavam o dia inteiro de botas e, somente ao pôr do sol, ao chegar das lides do campo, é que as tiravam e calçavam um par de alpargatas. Lavavam as mãos e o rosto em pequena bacia de ferro ou alouçada, colocada em cima de um cepo; ao lado havia a toalha para enxugarem-se. Isso feito, chegavam-se para a beira do fogo, no galpão, para tomar chimarrão. Se estivesse muito quente o dia, ficavam do lado de fora do galpão, sentados em pequenos bancos ao luar ou clarão das estrelas, tomando mate até ouvirem o sinal chamando-os para a janta. Depois de comerem, ainda retornavam pra mais um mate.
O peão de tropa passava o dia todo de botas calçadas; somente as tirava à noite para dormir. E isso o fazia à beira da cama de arreios. Ao acordar, a primeira coisa que fazia era tornar a calçá-las. Não usava aliviar os pés com o com uso de alpargatas, mesmo que durassem vários dias a tropeada, durante a qual nem pensava em lavar os pés, principalmente se fosse inverno.
Havia o peão que trabalhava a pé, fazendo de alpargatas ou mesmo descalço, serviços como de capina na lavoura, de quebra de milho, de aramado e outros. Estes largavam o serviço ao entrar do sol e vinham para o galpão. Costumavam de chegada lavar os pés, sentados em um banco baixo, junto a um cocho de pedra que tinha um pouco d'água. Com auxilio de um sabugo de milho ou de caco de telha de barro, mesmo sem sabão, esfregavam os pés, especialmente os calcanhares. Sem enxugá-los calçavam as alpargatas. Lavavam a seguir mão e rosto e reuniam-se aos companheiros na roda do mate amargo. Juntos todos, sem distinção, cada um contava seus feitos, dificuldades ou gauchadas na faina do dia.
Entre 10 e 11 horas, tratavam de arrumar a cama para dormir, no verão ao relento, tendo como teto as estrelas. Madrugada grande, aí pelas quatro horas e meia, já estavam de pé, tomando chimarrão. Dormiam com a roupa do corpo, tendo o chapéu a cobrir-lhes o rosto. A cama, a que davam o nome de "tarimba'', duas tábuas unidas por dois listões, era colocada no chão.
Alguns tinham cama tipo de vento, com pés altos e cruzados em forma de um X. Chamada de "catre", tinha o leito feito com tábuas tiradas de uma velha barrica; havia catre inteiramente forrado de couro cru. Sobre a tarimba ou sobre o catre, estendiam os arreios, tendo como colchão a carona e os pelegos; o serigote servia de travesseiro. Usavam como coberta o pala ou nada, se fosse noite de verão. No inverno, tapavam-se com o poncho ou com a capa.
Os peões passavam a semana inteira com a mesma roupa do corpo, que era mudada aos sábados de tarde, se conseguiam dispensa do serviço ou aos domingos.
No geral, os gaúchos tinham só três mudas de roupa: uma no corpo, outra na lavadeira e uma terceira de reserva. Esta última a guardavam em um baú, ou caixão ou pendurada em rústico cabide de madeira ou em pregos cravados na parede. Junto a essa muda de reserva, estava o lenço de pescoço, o chapéu, um par de botas, uma guaiaca e, às vezes, um casaco. Era para passeios, bailes, dias de festa e de carreira.
A bombacha era de uso geral. Não usavam calça alguma, nem para dias festivos ou para ir à cidade. Os mais pobres só tinham duas mudas e para mudar de roupa no fim de semana precisavam ir à casa da lavadeira pegar a roupa lavada. Logo depois iam à sanga tomar um banho e vestir a roupa limpa. Pegando a suja, voltavam à casa da lavadeira onde a deixavam para lavar. Nos próximos domingos repetiriam a manobra.
A lavadeira, além de lavar e passar a ferro, tinha o cuidado de pregar algum botão e de remendar o que fosse necessário. Havia gaúcho tão mal de roupa que, por economia, ou falta de sabão e para não pagar lavadeira, ele próprio, aos domingos, ia lavar e pescar no arroio. Nessa ocasião, aproveitava para lavar sua única muda de roupa, secando-a ao sol enquanto tirava algum peixe. À tardinha, apresentava-se na fazenda vestindo a mesma roupa, porém limpinha.
O peão antigo não gostava das comodidades do homem da cidade, que mudava de roupa para dormir, tinha cama de colchão macio e trocava seguido de camisa e roupa de baixo. A falta dessas comodidades não lhe fazia "bater a passarinha", isto é, não lhe incomodava e nem causava inveja. O gaúcho do passado, embora toda a falta de conforto, sempre se mostrava no serviço de cara alegre e de boa disposição.

Fonte: Gonçalves, Raul Annes. "Mala de Poncho – Reminiscências e Costumes Campeiros", Porto Alegre, Martins Livreiro, 1987.89 p.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...