ANO: 26 | Nº: 6523
04/09/2019 Esportes

Guarany dedica segundo semestre para reestruturação

Foto: Yuri Cougo Dias

Alvirrubro focará em reparos patrimoniais
Alvirrubro focará em reparos patrimoniais
Após a conquista da Terceirona, a diretoria do Guarany optou por não participar da Copa Seu Verardi e utilizar o segundo semestre para reestruturação. O foco principal é o estádio Antônio Magalhães Rossell, que até a abertura da pré-temporada, em 2020, deve passar por uma série de reparos, entre eles, o conserto dos refletores, visto que a Divisão de Acesso reserva, em seu calendário, jogos nas quartas e domingos ou quintas e terças-feiras.
Ontem pela manhã, o presidente Tato Moreira e o diretor e ex-presidente Mário Medina Dornelles concederam entrevista ao programa Panorama Esportivo Meu Caro, da rádio Clube, que conta com apresentação de Chico Viçosa e Márcio Azevedo. Durante o bate-papo, Tato esclareceu "os por quês" do Índio não ter ingressado na Copinha e, logo, focado suas forças para o Acesso, em 2020. "Sabemos que o Guarany precisa se reestruturar. Os outros clubes que jogam sabem de sua realidade e condições. E nós, como diretores, todos com valor de presidente, sabem o que precisa ser resolvido. Isso passa pelo patrimônio. Em 2008, tínhamos uma das melhores iluminações do Estado. Hoje, é uma das piores. Temos que mexer, também, em toda a parte elétrica interna do clube, refeitório, acomodações e vestiário. Não seríamos inconsequentes de jogar a Copinha nessas atuais condições", argumenta. Outro aspecto é o financeiro. Segundo Tato, pela primeira vez, o atual grupo diretivo encerra a temporada com o saldo zerado. Recentemente, o clube acertou os salários referentes aos 15 dias de julho.

O exemplo Diego Rocha

No bate-papo no estúdio, o comprometimento do grupo de jogadores responsáveis pelo título da Terceirona foi enaltecido durante vários momentos. Para exemplificar, Tato utilizou o caso do zagueiro Diego Rocha, dispensado, em março, pelo Bagé, e que tomou o rumo do outro lado da cidade. "Ele saiu expulso num jogo do Bagé por uma voadora mortal. Quando ele chegou no Guarany, dissemos o seguinte: 'velho, baixa tua bola. Tu estava na segunda divisão pelo Bagé, era o capitão do time e foi sacado. Estamos te dando oportunidade para te recuperar, pois tu é um baita jogador'. Daí, tivemos uma primeira fase fantástica, mas, eu e tantos outros, ainda tínhamos um receio. Nas quartas, contra o Santa Cruz, vi no vestiário do Guarany uma energia de determinação. Ganhamos com gol do capitão Diego Rocha, que veio com aquele objetivo. E ele foi primordial dentro de campo. Esse foi o ambiente criado pelos jogadores", relatou na rádio.

A escolha do treinador

Em contato com o jornal MINUANO, o vice-presidente Jorge Kaé ressaltou que as reuniões da diretoria têm ocorrido semanalmente. Em breve, há perspectiva é de que haja novidades. Embora não cite nomes, o dirigente confirma que a direção busca manter alguns jogadores do elenco campeão da Terceirona.
E quanto à comissão técnica, Kaé reitera que nenhuma conversa foi aberta. Porém, em virtude do trabalho que foi realizado na temporada, reconhece que o técnico Vanderson Pereira é uma das opções analisadas para comandar o time na Divisão de Acesso de 2020, que tem como grande atrativo os clássicos Ba-Gua.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...