ANO: 26 | Nº: 6590
28/09/2019 Fogo cruzado

“Estamos cumprindo nosso papel, primando pelo respeito às instituições”, destaca Machado

Foto: Sidimar Rostan/Especial JM

Secretários e vereadores da base acompanharam coletiva realizada na sexta-feira
Secretários e vereadores da base acompanharam coletiva realizada na sexta-feira
Em coletiva de imprensa realizada na tarde de sexta-feira, 27, na presença de vereadores da base e de secretários municipais, o prefeito Manoel Machado, do PSL, que assumiu o cargo por conta do afastamento de Divaldo Lara, do PTB, reiterou o respeito às decisões judiciais. “Estamos cumprindo nosso papel, primando pelo respeito às instituições”, salientou, ao observar que não gostaria de assumir o posto diante das circunstâncias.
Após a manifestação do procurador geral do município, Heitor Gularte, e do presidente do Legislativo bajeense, vereador Carlos Adriano Carneiro (Esquerda), do PTB, Machado tornou a destacar que não deve formalizar qualquer mudança na composição do governo. “Não podemos nos precipitar, nem tomar decisões que prejudiquem o andamento dos trabalhos que estão sendo feitos pelo governo. Quando falo em governo, falo em toda a equipe. Para não prejudicar esses trabalhos, a equipe será mantida, até que se esgotem, no mínimo, todas as possibilidades de recurso do prefeito Divaldo se defender e estar de volta”, argumentou.
Garantindo que o petebista não terá ingerência em futuras decisões da prefeitura, enquanto perdurar o afastamento do cargo, Machado foi enfático ao demonstrar apoio ao prefeito eleito em 2016. “Desejamos que o Divaldo possa comprovar sua inocência e resgatar seu direito de reassumir o governo. Ele foi eleito para isso. Eu fui eleito para ser o vice-prefeito. Meu desejo é o de que ele consiga ir até o final do mandato, conduzindo a mesma equipe”, reiterou.

Planejamento
Machado esclareceu que os projetos da administração serão mantidos. A medida inclui a realização do concurso publico, cujo edital, de acordo com o prefeito, deve ser publicado nos próximos dias. A liderança do PSL revelou, entretanto, que a prefeitura não deve formalizar o pagamento de 50% do 13º salário aos municipários na segunda-feira.
A antecipação havia sido anunciada, de acordo com Machado, com base em uma previsão orçamentária que não se concretizou. “A prefeitura não conseguiu arrecadar. O pior mês deste ano foi o mês de setembro. Deixou de arrecadar quase R$ 7 milhões”, revelou, ao garantir que, mesmo diante da situação, o governo deve repassar 25% do 13º. “Vamos pagar com o que sem tem”, disse.

Apoio
Em uma breve manifestação, durante a coletiva, Esquerda qualificou a base de governo da Câmara como ‘principal parceira de gestão’. “Mesmo com esta alternância, estando Manoel Machado à frente da prefeitura, o Legislativo vai permanecer sendo parceiro na construção desta Bagé melhor para se viver”, salientou.

Processo
O procurador geral do município abordou aspectos sobre a investigação, mencionando que dois pedidos de afastamento de Divaldo, formalizados anteriormente, haviam sido negados. “O que nos causa surpresa é que o terceiro pedido, em reconsideração, foi acolhido”, disse.
Gularte também fez questão de manifestar orgulho por fazer parte do governo, externando confiança em Divaldo. “Ao mesmo tempo em que acreditamos nas instituições e no poder judiciário, no regime democrático de direito, nós temos a mesma convicção com relação a inocência do prefeito”, pontuou.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...