ANO: 25 | Nº: 6361
09/10/2019 Campo e Negócios

Exportações totais de carne bovina caem 19% em setembro

Pelo segundo mês consecutivo, as exportações totais de carne bovina (in natura e processada) apresentaram forte redução em relação ao mesmo mês de 2018, informou a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) com base na compilação de dados do Secex do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic).
Em setembro, foram exportadas 145.338 toneladas contra 178.489 toneladas no mesmo mês de 2018. Ou seja, queda de 19%. Nas receitas houve redução de 13%: em setembro de 2018 elas alcançaram US$ 698 milhões e, em 2019, foram de US$ 607,5 milhões. No total do ano até aqui, no entanto, as exportações ainda acumulam uma boa margem de crescimento: em 2018, até setembro, a movimentação havia atingido a 1 milhão 166 mil toneladas e, neste ano, foi a 1 milhão 285 toneladas movimentadas, crescimento de 10%. Nas receitas, o valor exportado no ano passado atingiu US$ 4,7 bilhões enquanto que, em 2019, foi a US$ 4,9 bilhões, aumento de 5%.
Em nota, a Abrafrigo sustenta que ainda não ocorreu reflexo nas exportações das habilitações de 17 novos frigoríficos nas vendas para a China continental, maior cliente brasileiro. As vendas feitas para o continente até setembro foram de 227.647 toneladas em 2018 para 253.150 toneladas em 2019, aumento de 11,2%. No entanto, as vendas para a China, pela cidade estado de Hong Kong, vêm sendo reduzidas gradativamente: de 289.419 toneladas no mesmo período de 2018 caíram para 252.372 toneladas em 2019, redução de 12,8%. O país asiático importou 11.538 toneladas a menos do que em 2018. Houve também redução nas vendas para o Irã, que caíram 21,8 % em relação ao ano passado: de 66.196 toneladas foram para 51.766 toneladas.
Segundo a Abrafrigo, pelos problemas de abastecimento que a China enfrenta com a peste suína africana há algum reflexo nos preços pagos pela carne bovina brasileira. A média da tonelada de carne bovina in natura (80% das exportações) vendida em setembro foi de U$ 4,24 mil, 1,6% maior que a média de agosto e 7,4% maior que a de setembro de 2018, o maior preço recebido pela tonelada de carne in natura brasileira em toda a sua série histórica.
Conforme informações da entidade, no mercado internacional, atualmente, somente o Japão e a Coreia do Sul pagam mais do que a China pelos cortes do dianteiro bovino. Com a evolução nos preços, aumenta também a concorrência no mercado internacional, com o Brasil perdendo para a Argentina a posição de maior exportador de carne bovina a China. Para a Abrafrigo, o crescimento das exportações em 2019 deve se manter ao redor de 6%.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...