ANO: 26 | Nº: 6590

José Carlos Teixeira Giorgis

jgiorgis@terra.com.br
Desembargador aposentado e escritor
19/10/2019 José Carlos Teixeira Giorgis (Opinião)

Bagé raiz

Em 1909, era Intendente Municipal, embora provisório, o major Juvêncio Maximiliano Lemos, nomeado pelo presidente do Estado, doutor Carlos Barbosa Gonçalves, e pelo chefe do Partido Republicano, doutor Borges de Medeiros. A administração era composta pelo secretário, Pedro Antônio da Cunha; secretário do tesouro, Arthur da Silva Lopes; estatístico, Jorge Reis; Médico, doutor Francisco Monteiro Alves; escriturários, Bonifácio Rodrigues das Chagas, Octaviano Rodrigues de Azevedo, Artur Damé, Fausto Meirelles e Júlio Martins; auxiliar, José Severo Perfeito; contínuo, Severo Pereira Pinto; professora, dona Marina Mogetti; inspetor do Mercado, Antônio Rodrigues Candiota; inspetor do Matadouro, Luiz Cândido Souto; capataz da turma, Nicolau Brum e Carlos Camargo; maquinista, Aparício Pereira, e carcereiro, Manoel Joaquim Paz Sarmento. A Polícia Administrativa era constituída por Carlos Reverbel de Souza, subintendente; comissário, Ignácio Rodrigues Barcellos; subcomissário, Antonino Soares de Oliveira; inspetores seccionais, Faustino Elias de Lima, Oscar Silveira Tavares e Álvaro Carneiro; inspetores suburbanos, Luiz José de Lima e Rosalvo Veríssimo de Lima; superintendente, Anastácio M. de Bittencourt; inspetores,Vitalino Mendes da Silva e Anaurelino Machado; professor, Pedro Menezes; subvencionado, Marcolino Maia; subintendente, Laurindo José Collares; inspetores, Túlio Osório Rodrigues e Manoel Maria Fontes; subintendente, Lindolfo Oliveira Santos; inspetores, Alfredo Carmo Pereira e Antônio Francioni Sobrinho; professor, Manuel Pantaleão da Cunha; subvencionado, Eduardo Caravaca; e João Manoel de Oliveira; subintendente, Terêncio José de Lima; inspetores Belarmino de Oliveira e Laudelino Moreira; subvencionado, Eduardo Francisco Fausto Guê./ O município possuía 32 colégios, sendo 11 estaduais e municipais, quatro particulares subvencionados e 14 particulares. Louva-se o "Gymnasio Nossa Senhora Auxiliadora", habilmente dirigido pelos padres salesianos, a que equiparado pelo governo ao "Gymnasio Nacional", está em condições de preparar candidatos à matrícula de qualquer academia nacional ou estrangeira. Também digno de menção o Colégio Paroquial São Sebastião "onde elevado número de crianças pobres recebe salutar instrução gratuita, a expensas quase exclusiva do filantrópico vigário da paróquia Ver. Padre Costábile Hipólito"./ Município tinha os seguintes "Passos e Estradas": Passo do Perez, Estrada Passo do Acampamento, Passo das Pedras, Estrada da Coxilha, Estrada do Valente (banhado dos Carneiros), Passo dos Olhos d'Água e Estrada do Aceguá. / E as ruas Vinte de Setembro, Caetano Gonçalves, João Telles, Marcílio Dias, Marechal Floriano, Amazonas, Sete de Setembro, General Osório, Triunfo Gomes Carneiro, Tiradentes, Conde de Porto Alegre, D. Veríssimo, Capitão Sousa, Dr. Pena, Três de Fevereiro, General Sampaio, General Netto, Ismael Soares, Marechal Deodoro, Félix da Cunha, Hipólito Ribeiro, Rodrigues Lima, Fernando Machado e "dois subúrbios". Essas vias tinham apenas 109 edificações/ O município subvencionado o Hospital São Pedro para os alienados de Porto Alegre, mas na gestão do major Juvêncio só havia sido remetido um doente que em breve voltara restabelecido. Reclamava-se com o preço do transporte dos doentes pela Viação Férrea até a Margem do Taquari que "eram exorbitantes/ O relatório municipal referia a existência de "três expostas" –crianças abandonadas -que haviam sido colocadas nas famílias de d. Balbina Marques, Ana Maria Diogo e Romualdo Avancini, lares que recebiam subvenções da Assistência Social. Outras seis crianças abandonadas não recebiam qualquer auxílio./ Os jardins municipais, antes cuidados pelo senhor Oscar Miller, eram geridos pela Diretoria de

Obras Públicas, ressaltando-se as boas condições da Praça Voluntários da Pátria (hoje Silveira Martins), cujas árvores tinham sido podadas e colocadas duas estatuetas nos lagos por ocasião da Exposição Rural do ano anterior, plantando-se mais 19 mudas. Já a Praça Carlos Telles estava num "abandono proposital" pela necessidade de remodelar-se o jardim e nivelar a praça.
Como as eleições eram por distrito e em épocas diferentes, foram escolhidos para deputados federais os drs. Alexandre Cassiano do Nascimento, João Abbot, Ângelo Gomes Pinheiro Machado, Domingos Pinto de Figueiredo Mascarenhas e Pedro Gonçalves Moacir; para deputados estaduais os doutores João Jacinto de Mendonça, Joaquim Luiz Osório, João José Pereira Parobé, Trajano Augusto Lopes, o coronel José Otávio Gonçalves e o major José Gonçalves de Almeida; e para senador, em vista do falecimento do marechal Júlio Anacleto Falcão da Frota, foi escolhido o Dr. Cassiano do Nascimento; e sendo esse escolhido deputado, foi substituído pelo Dr. João Simplício Alves de Carvalho; para Intendente, o Cel. José Otávio Gonçalves, que logo tomaria posse; E para presidente e vice-presidente da República, "a julgar pelas notícias mais recentes", o Marechal Hermes Rodrigues da Fonseca e o mineiro doutor Wenceslau Braz Pereira Gomes.
Finalmente, as maiores prisões eram"desordens", 214; "embriaguez", 86; "vagabundagem", 19; "gatunagem",10e "ferimentos", 10. Durante o ano aconteceram 364 ocorrências.
Há 60 anos atrás, em 10 julho de 1959, a cidade amanheceu estarrecida. Quando chegaram à loja os funcionários da "Feira Paulista", situada ao lado do Clube Comercial, encontram mortos, com requintes de violência, os proprietários do estabelecimento Abas Noredini, casado, com aparentes 50 anos, e Mohamed Atfe, solteiro, com 40 anos. Os cadáveres foram achados num quarto, após o depósito de mercadorias. Segundo o jornal "o primeiro cadáver, do negociante mais velho, estava caído de bruço entre as duas camas, com a cabeça embaixo duma delas. O corpo estava envolvido em um cobertor à altura da cintura e com as mãos amarradas com toalhas e cordas nas costas. Apresentava um ferimento incisivo que, partindo do pescoço, na parte de trás, lado direito, atingia o maxilar também do mesmo lado. Enrolado em torno do pescoço havia um fio de eletricidade, usando certamente para garrotear a vítima. Os pés do cadáver estavam amarrados com fio elétrico" o segundo cadáver estava na mesma posição do primeiro cadáver, "isto é, de bruços sobre o lado direito com ambas as mãos amarradas atrás das costas. Para amarrar a vítima, os assassinos usaram um fio da antena do rádio. A cabeça do cadáver estava fortemente envolvida acima do nariz, por um cobertor, que parece teria sido atirado na vítima por trás num movimento para impedi-la, possivelmente, de reconhecer seu agressor. O cadáver apresentava um ferimento incisivo junto à carótida".
A investigação policial ficou a cargo do delegado Walmyr Santa, auxiliado pelo inspetor Bulcão e demais funcionários da DP, que atribuíram o assassinato a um possível latrocínio, mas o cofre não tinha sinais de arrombamento. Passou-se a cogitar de uma vingança, em possível desavença com familiares ou patrícios dos mortos da Jordânia ou do Iraque. Daí em diante a cidade encheu-se de boatos e hipóteses para os crimes.
Em 20 de março de 1981, na Rua General Sampaio nº 159, reuniu-se a Comissão Provisória do Partido Trabalhista Brasileiro para aprovar as filiações partidárias. A Comissão Provisória era formada por Justino Quintana, Mathias Nagelstein, João de Deus

Gonzales, Paulo César Teixeira, Natalício Brum Pontes, Edson Maidana, João dos Santos Farias, Adair Lacerda de Oliveira, Aldrovando da Rosa Robaina, José Pedro Leal e Luiz Alberto Correa Vargas. O livro de atas registras 14 páginas (frente e verso) de aprovação das 631 fichas dos novos filiados. As três primeiras fichas aliforam da senhora Arlinda Pereira Godinho, Ana Maria Machado e Aldrovando Aires da Rosa e as três últimas de Inácio Severo, Bernardino Senades e Ilecer Silveira da Silva. Em 26 de abril de 1981, reunia-se o Diretório Municipal para escolher a primeira Comissão Executiva do PDT, presentes seus 34 membros. Fora escrutinadores Inácio Severo, Nedi Adami Gomes e João Natalício Brum Pontes. E escolhidos Mathias Nagelstein, presidente; Luiz Alberto Correa Vargas, vice-presidente; Claudino Nunes, secretário; Aldrovando Robaina, tesoureiro; José Pedro Leal, líder da bancada. Suplentes: Paulo César Teixeira, João de Deus Gonzales, Miguel Assunção dos Santos e Inácio Severo. Não houve chapa de oposição.

Fontes: 1.Relatório de Maj. Juvêncio Lemos, Intendente provisório, apresentado ao Conselho Municipal em março de 1910. Impresso nas Oficinas de "O Dever", Bagé; 2. Correio do Sul, 12 de julho de 1959; 3.Atas nºos 1 e 2 do Livro de Atas do PDT, cópias do acervo do autor.

 

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...