ANO: 25 | Nº: 6406

José Artur Maruri

josearturmaruri@hotmail.com
Colaborador da União Espírita Bajeense bagespirita.blogspot.com.br
19/10/2019 José Artur Maruri (Opinião)

Os novos - velhos - Desafios e o Dever

Os tempos presentes trazem imensos desafios para o espírito imortal. Hoje, quatro bilhões de pessoas têm um smartphone e o tiram do bolso pelo menos 200 vezes por dia, segundo a Revista Superinteressante.
A mesma revista assevera que o smartphone já é considerado o novo cigarro. Segundo o Diretor da Redação da Revista supracitada, Alexandre Versignassi, "cada pessoa tira o celular do bolso ou da bolsa 221 vezes por dia, em média". Os repórteres Bruno Garattoni e Eduardo Szklarz afirmam que "por trás dos ícones coloridos, as gigantes da tecnologia fazem um esforço consciente para nos manipular, usando recursos da psicologia, da neurologia e até dos cassinos".
Por outro lado, o Espiritismo, o qual não se furta de nenhum diálogo, visto que Allan Kardec, André Luiz e Irmão X, entre outros, antes mesmo de estarem diante desse novo empreendimento humano, já eram conhecedores do quanto nós, Espíritos Imortais, somos tendentes a nos acomodar diante do dever, e, por isso, já indicavam as lições imorredouras que podem nos auxiliar, hoje, em dias tão enigmáticos.
Aliás, o Espiritismo, numa de suas acepções mais belas, está voltado para o próprio indivíduo. Pensando nisso Allan Kardec indagou os Espíritos: "919. Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resistir à atração do mal? Um sábio da antiguidade vo-lo disse: Conhece-te a ti mesmo".
Partindo do princípio de que devemos nos conhecer a fim de nos melhorarmos nesta vida e resistir à atração do mal, torna-se imperioso que nos diagnostiquemos atrelados ao mal do momento, a fim de elevarmos o nosso nível consciencial.
Nessa linha, André Luiz, através da mediunidade de Waldo Vieira, no pequeno grande opúsculo Conduta Espírita, publicado em 1971, já lecionava com propriedade como devemos nos comportar diante dos novos desafios da tecnologia, colocando, inclusive, sobre o comportamento nas redes sociais:
"Em nenhuma condição, malbaratar o tempo com polêmicas e conversações estéreis, ocupações fantasistas e demasiado divertimento. Desperdiçar tempo é esbanjar patrimônio divino. Autodisciplinar-se em todos os cometimentos a que se proponha, revestindo-se do necessário discernimento. 'Fazer muito' nem sempre traduz 'fazer bem'".
O próprio Irmão X, na obra Luz Acima, psicografada pelo saudoso médium Francisco Cândido Xavier, conta-nos belíssima lição aos tempos da Boa Nova onde Túlia Prisca procura Joana de Cusa para informar de um oráculo diferente, um feiticeiro, que, miraculosamente, lia presságios e sabia, antecipadamente, quem venceria os jogos no circo, descobriria os criminosos e indicaria, com precisão, o local a que se acolhem objetos perdidos.
Como se vê, Túlia Prisca estava encantada com algo que era bastante comum aos tempos do Cristo, há dois mil anos. Tanto quanto nós, estamos encantados, dois mil anos mais tarde, com as grandes tecnologias de que somos portadores.
No entanto, Joana de Cusa apresentou à Túlia Prisca um "oráculo diferente": era Jesus que se encontrava descansando na intimidade da residência de Pedro. Túlia, após contar seus inúmeros desacertos conjugais, ouviu o Mestre Nazareno:
"No sacrifício reside a verdadeira glória (...) A voz da nossa consciência não pode concordar invariavelmente com a opinião dos melhores amigos. O dever é mais imperioso que os presságios de qualquer adivinho".
Descontente, Túlia Prisca indagou: - E não tendes novidades para mim? Venho de tão longe e não me agradais? Que mensagem recolherei na visita?
- Rogo ao Pai – disse Jesus, muito sereno – que a ilumine e abençoe.
Resta-nos a reflexão de que tanto os oráculos do tempo do Cristo como os novos oráculos da modernidade jamais farão olvidar os compromissos que temos diante dos deveres.
Que o Pai nos auxilie e ilumine, como rogou Jesus, para que, conhecendo a nós mesmos, retomemos os compromissos de que somos portadores diante da era nova que já se iniciou.

(Referências: Revista Superinteressante. Edição 408 – outubro de 2019. O Livro dos Espíritos. Allan Kardec. FEB Editora. p. 408. Luz Acima. Pelo Espírito Irmão X em psicografia de Francisco Cândido Xavier. FEB Editora, 1978. Cap. 19. p. 87-90. Conduta Espírita. Pelo Espírito André Luiz em psicografia de Waldo Vieira. FEB Editora, 1971, Cap. 38. P. 125-126)

José Artur M. Maruri dos Santos
Colaborador da União Espírita Bajeense
bagespirita.blogspot.com
josearturmaruri@hotmail.com

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...