ANO: 25 | Nº: 6386

José Artur Maruri

josearturmaruri@hotmail.com
Colaborador da União Espírita Bajeense bagespirita.blogspot.com.br
02/11/2019 José Artur Maruri (Opinião)

Do aprendizado de Judas

Judas Iscariotes é uma das figuras mais marcantes do evangelho.
O Irmão X, pseudônimo de Humberto de Campos, vai relatar, através da psicografia de Francisco Cândido Xavier que Judas "não obstante amoroso, era, muita vez, estouvado e inquieto".
Segundo o benfeitor espiritual suprarreferido, Judas apaixonara-se pelos ideais do Messias, e, embora esposasse os novos princípios, em muitas ocasiões surpreendia-se em choque contra ele.
Exemplo disso foi quando organizou a primeira bolsa de fundos da comunhão apostólica e, obediente aos mesmos impulsos, julgou servir à grande causa que abraçara, aceitando a perigosa cilada que redundou na prisão do Mestre.
O autor espiritual refere que Judas trazia constantemente nos lábios uma referência amarga, um conceito infeliz.
Quando Levi se reportava a alguns funcionários de Herodes, simpáticos ao Evangelho, dizia, mordaz: - São víboras disfarçadas. Sugam o erário público, bajulam sacerdotes e deixam-se pisar pelo romano dominador... a meu parecer, não passam de espiões...
O interessante é que, corriqueiramente, nos dias de hoje, nos depararmos com criaturas assim. Aliás, o cotidiano tem nos mostrado como estamos mais próximos a Judas do que em relação ao próprio Mestre Jesus.
E o pior é que referências amargas e infelizes, a maledicência, vão nos afastando da convivência com as pessoas, de modo geral.
O próprio Judas Iscariotes, segundo o Irmão X, procurou o Mestre Jesus para confessar sua tristeza com relação a isso. Tristeza que muitos de nós, até os dias atuais, enfrentamos, pelos mesmos motivos, senão vejamos:
- Senhor, por que motivos sofro tão pesadas humilhações? Noto que os próprios companheiros se afastam, cautelosos, de mim... Não consigo fazer relações duradouras. Há como que forçada separação entre meu espírito e os demais... sou incompreendido e vergastado pelo destino...
Irmão X relata que, nesse momento, Judas tinha lágrimas nos olhos que não chegavam a cair.
Mestre e discípulo se acercaram de um poço com águas cristalinas, no qual o discípulo se reclinou para aliviar a sede, no entanto, impulsivo, inadvertidamente, tocou no fundo e trouxe largas placas de lodo à tona, o que lhe causou indignação.
O Espírito amigo nos conta que o Mestre bondoso sorriu calmamente e falou, tocando profundamente no discípulo e em cada um de nós até os dias de hoje, em mensagem que segue:
"Neste poço singelo, Judas, tens a lição que desejas. Quando quiseres água pura, retira-a com cuidado e reconhecimento. Não há necessidade de alvoroçar a lama do fundo ou das margens. Quando tiveres sede de ternura e de amor, faze o mesmo com teus amigos. Recebe-lhes a cooperação afetuosa sem cogitar do mal, a fim de que não percas o bem supremo".

(Referências: Luz Acima. Pelo Espírito Irmão X em psicografia de Francisco Cândido Xavier. FEB Editora, 1978. Cap. 44. p. 187-18)

José Artur M. Maruri dos Santos
Colaborador da União Espírita Bajeense
bagespirita.blogspot.com
josearturmaruri@hotmail.com

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...