ANO: 26 | Nº: 6526

Cássio Lopes

cassio_241@hotmail.com
18/11/2019 Cássio Lopes (Opinião)

Dr. Budó

João Manoel Budó nasceu no dia 13 de julho de 1890, na localidade de Tabuleiro, 2° distrito de Lavras do Sul. Filho de Sebastião Budó (Sebastián Esteban Budó y Darné-espanhol) e de Maria da Conceição de Barros (portuguesa). Com seis anos, veio morar em Bagé, onde fez seus primeiros estudos e passou a infância e juventude. Foi o único filho de Sebastião Budó encaminhado para os estudos. Após, transferiu-se para Pelotas, onde estudou nos Colégios Gonzaga e Pelotense.
Mais tarde, mudou-se para o Rio de Janeiro (na época Capital Federal), onde se formou em Odontologia, pela Faculdade de Medicina, em 1912. Voltou, posteriormente, à Rainha da Fronteira, abrindo seu consultório na Avenida Sete de Setembro, perto da Catedral, clinicando durante uma década. Em 15 de julho de 1920, contraiu núpcias com a jovem Laura Babot, da alta sociedade local.
Desta feliz união, que durou 55 anos, tiveram os seguintes filhos: Talitha Isaura, Murillo Edgar, Athos Aramis, Aluísio Bolivar e Teresa Anita Maria.
João Manoel foi Conselheiro Municipal (1914-1917), o equivalente ao vereador de hoje, iniciando suas atividades como suplente com 24 anos de idade, sendo o mais novo dos conselheiros. Em 1917, em sua segunda legislatura, já era edil efetivo do Partido Republicano, tendo até 1921, contribuído com seu quinhão de moral e honradez para o engrandecimento da Casa Legislativa de Bagé.
Em 1917, em momento de grave perigo para a nação, foi um dos fundadores do Comitê de Defesa Nacional em Bagé. Foi também nomeado Juiz Municipal, tendo entre outros encargos, o de realizar casamentos.
Em 1929, quando da sucessão intendencial de Bagé, foi seu nome lembrado pelos jornais "Correio do Sul" e "Diário da Tarde", para ocupar cargo de intendente do município. Mas, na realidade, seu destino vocacional ainda não se completara! Já com seus 40 anos e vários filhos, novamente volta a estudar, agora na Faculdade de Direito de Pelotas, tornando-se Bacharel em 1935 e, sua inscrição na OAB sob o N° 609, ocorreu em 1° de agosto de 1936, profissão que exerceu até o final de sua laboriosa vida.
Por 39 anos, trabalhou no Fórum local, sempre procurando dar atenção especial aos mais necessitados, a quem dispensava o mesmo tratamento dado às pessoas de alto poder aquisitivo.
Foi Presidente da OAB-Subseção de Bagé no período de 1943- 1946. Na gestão do Dr. Carlos Limberg (1995-1997) foi inaugurada, na sala dos advogados, uma galeria com as fotos dos antigos presidentes, recebendo seus familiares uma placa com os seguintes dizeres: "O reconhecimento dos advogados de Bagé pela abnegada dedicação na administração desta Subseção"!
Dr. Budó, como era conhecido, proporcionou a todos os seus filhos estudos universitários.
Foi figura de destaque nas hostes do Partido Republicano, tendo em outubro de 1923, empunhado armas em defesa da cidade de Bagé, ameaçada pela coluna revolucionária do General Estácio Azambuja. Por mais de quatro décadas, serviu com denodo e muita dedicação nossa comunidade, sendo um defensor incansável do Direito e da Justiça! Também foi pecuarista, tendo uma chácara localizada no Piraizinho, interior de Bagé.
Assim se manifestou o Dr. Rubem Almeida sobre a figura do Dr. João Manoel Budó: "O Homem é muito mais do que sua presença física representa. Em verdade, ele é uma integridade complexa. E tudo o que foi, o que fez, o que significou, o que construiu; é a soma de todos os atos, as suas manifestações, os seus sentimentos. Para sua descendência deixou um legado na maneira de educar, na sua moral, nos seus exemplos e na cultura que cultivou e transmitiu. O homem vive além, muito além de sua morte, o profundo amor que semeou ultrapassa gerações unindo criaturas que dele surgiram."
Respeitou a Deus, amou a Pátria, a família e a profissão. Faleceu em 31 de agosto de 1975, deixando a sua esposa, filhos e netos, uma herança profícua e respeitável. Pelos seus relevantes serviços prestados à comunidade bajeense, em 1976, seu nome foi imortalizado em uma rua no Bairro Mascarenhas de Moraes, através do Decreto Legislativo n° 303/76, de autoria do então vereador Clementino Machado Molina.

Fontes
Depoimento de Teresa Budó.
Budó, Aluisio Bolívar "Raízes a mostra – Memórias de um general", Porto Alegre, Sulina, 2000.304p.
Timm, Otacílio B. e Gonzales, Eugênio. "Álbum Ilustrado do Partido Republicano Castilhista Rio Grande do Sul", Porto Alegre, Livraria Selbach, 1934.818 p.
Jornal Minuano, Coluna especial "Conheça sua cidade" 1999.

 

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...