ANO: 26 | Nº: 6527

Lia Maria Herzer Quintana

Reitora da Urcamp e presidente da Fundação Attila Taborda
31/12/2019 Lia Maria Herzer Quintana (Editorial)

Janeiro de 2020: mudança é permanência


É impossível iniciar uma abordagem de texto sem considerar o peso simbólico do título ao qual nos referimos neste primeiro dia de Ano Novo. Afinal, toda literatura impunha historicamente grandes exigências aos anos 2000 e, considerando-se os 20 anos já passados das grandes profecias, algumas ainda nos cobram respostas ou, por que não dizer, ainda nos assombram. Resolver nossa postura frente à modernidade ou às mudanças pode determinar se o período seguinte vai ser um futuro planejado ou uma desastrosa distopia. Na Urcamp, decidimos que o porvir será muito melhor.

Desde que assumi o 3º mandato (2018-2022) à frente da Fundação Attila Taborda e da Reitoria da Urcamp, deixei claros os princípios que determinariam nossa ação. E todos eles levavam ao rumo da estabilidade, mediante o destemor de mudanças. E nisso não há contradição, pois provamos que estabilidade jamais será sinônimo de apatia, de estagnação. Alguns exemplos podem ser notados concretamente no funcionamento do Hospital Universitário, nos museus de nossa fundação, na Casa da Menina e no Jornal Minuano. Muitas transformações foram determinantes para que chegássemos com qualidade e reconhecimento ao texto que hoje estamos apresentando. E como esse editorial, pretendo oferecer-lhes muitos outros no futuro.

Lidero uma instituição de ensino superior com mais de seis décadas de atuação, marcada pelo pluralismo de ideias e pela garantia de espaços de liberdade de cátedra. Nossa equipe não tem olhares exclusivos para um partido ou ideologia política, mas para todas que desejarem contribuir com o desenvolvimento de nossa região a partir de boas iniciativas e projetos que levem ao aprimoramento profissional, social e cultural dos municípios onde atuamos. Lutamos sempre para garantir o melhor acesso possível à educação de qualidade desde tempos em que o próprio Estado falhava em oferecer vagas para ensino universitário no interior do Rio Grande do Sul e de outras unidades da federação. Reconhecemos que todo este pioneirismo, que toda esta tradição deixou marcas profundas no nosso fazer pedagógico, o que traz experiência positiva, mas também pode incluir alguns riscos a serem superados. Por isso, até em respeito a esta herança, é preciso atualizar sempre.

Inovamos ao introduzir o ensino híbrido e semi-presencial, apostamos em melhorias tecnológicas e investimos em infraestrutura. Buscamos no trabalho compartilhado das melhores instituições comunitárias gaúchas e do Brasil as mais consequentes leituras do contexto atual para identificarmos os desafios a serem vencidos. Ultrapassar o modelo conteudista baseado em currículos antigos e herméticos mostrou-se um caminho necessário para alcançar a perenidade que desejamos e que muitas universidades brasileiras entendem ser também seus próprios desafios. Estamos determinados a oferecer uma oportunidade de reforma da educação por dentro, de maneira a formar uma sociedade não somente eficiente, mas também justa, democrática e inclusiva. Assim, voltamos nossa atenção ao ensino por competências e aplicamos nossos esforços na renovação curricular e na formação de nossos professores em metodologias ativas de ensino-aprendizagem.

Hoje temos uma instituição que se recredenciou junto ao Ministério da Educação como Centro Universitário obtendo nota máxima em avaliação presencial. O mesmo resultado também tivemos do MEC para a nossa proposta de Ensino a Distância, cuja oferta está em pleno andamento. E todas estas mudanças nos deixaram mais fortes e mais preparados para responder positivamente ao cenário permanentemente volátil que sempre se avizinha em tempos de modernidade líquida.

Por fim, resta dizer que o ano é novo também porque as mudanças não param aqui. Assim como defende Gimeno Sacristán, a modernidade não está naquilo que é novo ou recente, mas naquilo que se torna perene por sua capacidade de transformar a vida e a realidade. Portanto, seremos sempre modernos enquanto formos importantes, enquanto nossa presença determinar um caminho melhor a quem abrigarmos. E a Urcamp está decidida a reafirmar essa postura: mudar sempre que necessário para continuar essencial nas vidas das comunidades onde atua.

Feliz Ano Novo!

Reitora da Urcamp e presidente da Fundação Attila Taborda

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...