ANO: 26 | Nº: 6575
11/01/2020 Esportes

Jogadoras bajeenses competirão na Iber Cup Feminina

Foto: Antônio Rocha

Meninas atuarão pelo Prides Lendas, de Guaíba
Meninas atuarão pelo Prides Lendas, de Guaíba
De 20 a 26 de janeiro, acontece a Iber Cup, torneio internacional, em Eldorado do Sul, no C.T. do Grêmio. A competição serve como classificatória para a etapa final, em Portugal. A Rainha da Fronteira será representada na categoria sub-13 feminina, pela equipe Prides Lendas, de Guaíba, com três meninas: a goleira Maria Eduarda Bulcão Pereira, 13 anos; a zagueira Nathally de Oliveira, 11; e a atacante Nathallya, 11. Elas serão as únicas atletas locais que participam do campeonato. A indicação foi feita pelo treinador da João Emílio, Cleo Moura, para a treinadora do Pride Lendas. A expectativa é de que o trio sirva como exemplo para que o futebol feminino ganhe mais espaço na Rainha da Fronteira.

A goleira
Maria Eduarda, ou Duda, pretende seguir os passos do pai, Dilson Pereira, ex-goleiro do Guarany, Brasil de Pelotas, hoje, do Máster 35 da Stand. Por isso, tem direito a treinamento individual. Seus primeiros passos foram aos 10 anos, na escolinha T.P. Depois, passou a treinar com o Flamenguinho Futsal Feminino. Em 2019, jogou o Gauchão de futebol feminino sub-12, pela João Emílio, de Candiota. Diariamente, tem trabalhado duro para crescer no esporte. “O futebol feminino cresceu muito neste ano. É um momento muito bom para entrar no mercado, ainda mais que são novas. Neste ano, quando ela jogou pela João Emílio, pudemos ter um patamar de onde ela poderia chegar. Embora, antes, tenha jogado futsal, o que a Duda gosta é o futebol de campo. Também estamos em contato com a Chape, que jogará a Iber Cup. Aproveitaremos para fazer vários contatos”, relata.

As gêmeas
As gêmeas Nathally e Nathallya, moradoras da Stand, já são famosas na cidade. Ambas também começaram na escolinha T.P. Depois, foram para o Flamenguinho. Mas elas chamaram a atenção por terem ido até a final da Copa Safergs, jogando pelo naipe masculino, e como titulares. Em 2018, obtiveram o feito pelo projeto Construindo um Futuro, vinculado à Secretaria Municipal de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel). Em 2019, repetiram a dose pela base do Guarany.
Tio das gêmeas, Tiago Fiuza, ressalta o destaque das meninas, mesmo no cenário masculino. Entretanto, observa o fator negativo disso. “Embora seja importante, isso também mostra que elas precisam jogar com os meninos porque não possuem seu espaço próprio. Mesmo assim, conseguem se destacar. Queria que essa participação na Iber Cup servisse de exemplo para que a cidade olhasse mais para o futebol feminino”, aponta.
Seguindo o mesmo raciocínio, Dilson, pai de Maria Eduarda, faz um apelo. “Que a dupla Ba-Gua, e órgãos públicos deem atenção. Temos valores, basta apoio”, finaliza. Independente do resultado na Iber Cup, que essa participa sirva de impulso para que estas meninas alcancem o mesmo cenário que a zagueira Daiane Bagé já obteve. Ou, quem sabe, até maior.

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...