ANO: 26 | Nº: 6587

Cássio Lopes

cassio_241@hotmail.com
17/01/2020 Cássio Lopes (Opinião)

Silvio Antônio de Oliveira

Silvio Antônio Bueno de Oliveira nasceu no dia 28 de junho de 1955. Filho de Iracildes Marques de Oliveira e Ilda Bueno de Oliveira. Iracildes, conhecido popularmente como “Cidinho”, produtor rural e proprietário de um bolicho (venda) na Coxilha do Haedo, bem no entroncamento das estradas da Chicaca e Picada do Alonso, interior de Bagé. Desde muito cedo ajudava nas lidas de campo e no comércio do pai. Nesse local, teve a oportunidade de conhecer muitos homens campeiros e pegar gosto pela cultura gaúcha.
Fez seus primeiros estudos numa escola próxima à Coxilha do Hadedo, nas imediações do comércio de seu pai.
Veio para a cidade em 1973, onde prestou serviço militar no 3º RC Mec (3º Regimento de Cavalaria Mecanizado), sendo transferido posteriormente para a PE (Polícia do Exército).
Contraiu matrimônio com Júlia Palmira Saraiva de Oliveira, em 20 de maio de 1984, com a qual teve os filhos: Marcos, Juliana e Silvio.
Em 1985, começou a trabalhar na Rádio Cultura, a “Pioneira de Bagé”, onde apresentou por três décadas os programas: Gauderiando no Pago, Terra Pampeana e, por último, Tradição e Cultura, sempre com um tom de voz peculiarmente campeiro.
Marcou história nas transmissões das expofeiras e semanas crioulas na Associação e Sindicato Rural, onde atuou como coordenador das equipes que trabalhavam nessas transmissões, sendo apreciado pelos colegas pelo seu companheirismo e amizade com todos.
Foi um dos responsáveis pela implantação do projeto “Fábrica de Gaiteiros” em Bagé.
No início de 2018, estava afastado dos microfones, mas retornaria em breve, estando em tratativas com a Rádio Cultura para assumir o comando de um programa tradicionalista na emissora, porém, infelizmente, acabou falecendo antes, no dia 09 de novembro do mesmo ano, deixando a esposa, filhos e o neto Antônio.
Seu corpo foi velado na Capela Sagrado Coração, no Cemitério da Santa Casa e após levado para o Cemitério dos Oliveiras, próximo à propriedade onde se criou, na Coxilha do Haedo, onde foi sepultado.
Durante as décadas conciliou o trabalho no rádio, com a atividade produtor rural, na propriedade que herdara dos pais.
Pelos seus serviços relevantes serviços prestados à comunidade bageense, em outubro 2019, recebeu a seguinte homenagem da Associação e Sindicato Rural de Bagé:
É com muita honra e orgulho que a Associação e Sindicato Rural de Bagé nesta 107ª Exposição Feira destaca, em homenagem especial, um homem autêntico, de personalidade, um verdadeiro amigo dos amigos e que viveu no ambiente que mais lhe deu satisfação, alegria e paz: o campo.
Estamos falando de Silvio Antônio Bueno de Oliveira. Casado com Júlia Palmira Saraiva de Oliveira, pai do Silvinho, do Marcos, da Juliana e avô do Antônio.
Ele esteve sempre ligado ao campo, filho de produtor rural, deu continuidade ao trabalho que lhe ensinou o pai e jamais perdeu a característica original que as lides campeiras cultiva nos homens que nasceram pelo bem querer da terra. Esta terra única, berço nativo e sagrado daqueles que sabem lhe dar valor.
Silvio Antônio, dividiu a sua trajetória entre o trabalho rural, a rádio Cultura de Bagé, onde permaneceu por mais de 30 anos, e o cultivo das tradições gaúchas.
A tradição, assim como o amor à família, cultivou unindo o campo e a rádio. Porque Silvio Antônio fazia de cada gesto, cada palavra, cada sorriso um sentimento verdadeiro, seja lá fora, seja nos Cetegês de que tanto gostava ou em um dos seus programas tradicionais como Ronda Gaúcha, Gaudereando pelo Pago e Tradição e Cultura.
Onde pudesse estar e fosse possível para incentivar a cultura lá estava o Silvio Antônio, na expofeira de Bagé, na Semana Crioula e nas manifestações em favor do campo. Um homem com que se podia contar. E hoje essa herança se manifesta com o trabalho rural de um dos filhos e a voz ecoando por ranchos e estâncias do outro, honrando a profissão de radialista.
Este homem é um símbolo de comunicação no Parque da Rural. É um símbolo nos centros de tradição gaúcha. Ele que foi um dos responsáveis pela Fábrica de Gaiteiros na nossa cidade. Sílvio Antônio é um desses homens que não se deve jamais esquecer. Pelo contrário. Deve ser cultuado, como ele próprio sempre cultuou a cultura gaúcha.
A homenagem da Exposição Feira de Bagé, para que se eternize em nossa memória gaúcha!

Fontes
Depoimento de Júlia Palmira Saraiva de Oliveira, Silvio Antônio Saraiva de Oliveira e Gladimir Aguzzi.
http://www.jornalminuano.com.br/noticia/2018/11/10/morre-o-radialista-silvio-antonio-oliveira
https://www.facebook.com/jornalfolhadosulbage/posts/1188669511300562/

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...