ANO: 26 | Nº: 6590

Rochele Barbosa

rochelebarbosa@gmail.com
Jornalista formada pela Universidade da Região da Campanha. Responsável pela produção e reportagem do caderno de Saúde do Jornal MINUANO
03/02/2020 Caderno Minuano Saúde

Farmacêuticos: onde podem trabalhar?

Foto: Divulgação

CAPA
CAPA

A profissão de Farmacêutica (o) é uma das que mais têm ganhado destaque no cenário mundial. A valorização tem sido retomada ao longo dos anos, sobretudo pela luta de órgãos representantes da categoria.

Segundo o caderno de economia da revista Veja, do dia 11 de janeiro de 2019, a Farmácia foi a terceira profissão que mais empregou com carteira assinada entre janeiro e novembro de 2018. Ainda, segundo a mesma publicação, uma das profissões que mais receberia destaque no segmento para o futuro é Gerente de Qualidade Farmacêutica, que exige formação em Farmácia.

São, hoje, 10 grandes áreas de atuação e 135 especialidades em que o farmacêutico pode atuar, sendo que, para algumas delas, é necessário que tenha especialização na área. Todavia, ainda configura-se como uma das profissões que apresenta maiores possibilidades de atuação, com salários bastante convidativos. Há, na atualidade, 100% de empregabilidade, ou seja, todos os nossos egressos que desejam ingressar no mercado de trabalho têm oportunidade.

Nesta edição, os membros do Diretório Acadêmico do Curso de Farmácia da Urcamp, Franciele Alves Valério da Rosa, Fatielhi Castro Jardim, Ivanise Maria Stachlewski, Laura Vaz Dutra, Elisâma Mariely de Deus Silva, Victor Vidal Gonçalves, Jennifer Diuliany Roldan Aleixo, Patrícia Pichler, Vitória Isabeli Centena Bernardo, auxiliados pelos professores Guilherme Bragança e Cíntia Ambrózio, listaram todas essas especialidades.

 Especialidades onde pode atuar o profissional de Farmácia

Segundo a resolução do Conselho Federal de Farmárcia Nº 572, DE 25/04/2013, eis as especialidades em que o farmacêutico pode atuar:

1. Alimentos funcionais e nutracêuticos: O Farmacêutico atua no estudo, desenvolvimento e controle de qualidade de alimentos contendo compostos bioativos que apresentam importantes papeis na saúde humana. 

2. Análises clínicas: O Farmacêutico é capacitado a gerenciar laboratórios de análises clínicas, bem como, a realizar os mais diversos exames concernentes à bioquímica, imunologia, hematologia, parasitologia e etc.

3. Análises toxicológicas: É responsável pelo estudo da contaminação de ambientes; Atua na realização de exames que buscam desvendar casos de dopping ou uso abusivo de determinadas substâncias pelos atletas; Investiga, no organismo humano e animal, as relações tóxicas que podem ocorrer motivadas por medicamentos; Atua na investigação de casos de overdoses, mortes ou desfechos promovidos por uso de substâncias químicas; Estuda substâncias tóxicas e componentes tóxicos em alimentos humanos e animais.

4. Antroposofia: Atuará na pesquisa, desenvolvimento, produção, controle e garantia de qualidade e também em todas as questões regulatórias dos produtos farmacêuticos antroposóficos, ou seja, aqueles obtidos exclusivamente da natureza a partir de substâncias minerais, vegetais ou animais. Lembrando que não existe medicamento antroposófico sintético.

5. Assistência farmacêutica: Atua diretamente nas ações de promoção, proteção e recuperação da saúde dos indivíduos de forma pessoal ou coletiva, tendo para tal, o medicamento como seu elemento principal, objetivando seu uso e acesso racional.

6. Assuntos regulatórios: Responsável pela preparação, análise e renovação de documentações das empresas para registro de produtos na ANVISA e outros órgãos reguladores. Com a finalidade de cumprir exigências legais, atua na regulação de processos pós-registro.

7. Atenção farmacêutica: Baseia-se na direta relação do Farmacêutico com o paciente, com base na garantia da qualidade dos produtos e serviços, realizando uma avaliação da sua utilização visando melhoria na terapêutica, e consequentemente, na qualidade de vida do indivíduo.

8. Atenção farmacêutica domiciliar (home care): Exerce atividades de desenvolvimento técnico direcionado a aquisição, controle e dispensação de medicamentos, promovendo atenção farmacêutica domiciliar por meio do acompanhamento farmacoterapêutico.

9. Atendimento farmacêutico de urgência e emergência: Atua prestando auxílio direto à equipe médica por meio do aporte medicamentoso necessário para cada caso específico.

10. Auditoria em saúde: Participa da equipe responsável pela avaliação da qualidade de processos, produtos e serviços ao cliente, sendo de maneira sistemática sua atuação.

11. Avaliação de tecnologia em saúde: Participa das mais diferentes etapas dos processos que visam a investigação dos desfechos clínicos, sociais e econômicos advindos das tecnologias em saúde, sejam elas inovadoras ou já existentes.

12. Bacteriologia clínica: Compete ao profissional a produção e controle de produtos farmacêuticos, realização de análises clínicas, gerenciamento de produtos farmacêuticos, pesquisas e administração laboratorial, dentre outros.

13. Banco de leite humano: Trabalha realizando técnicas de conservação e avaliações laboratoriais nas amostras de leite.

14. Banco de materiais biológicos: Atua na pesquisa, armazenamento, conservação e disponibilização de materiais biológicos para os mais diversos fins.

15. Banco de órgãos, tecidos e células: Registro dos órgãos doados, acondicionamento, realização de exames no doador para detectar eventual presença de microrganismos patogênicos, realizar exames de histocompatibilidade e outros fundamentais para transplantes, liberar o órgão acompanhado de seu laudo. Pode também assumir a responsabilidade técnica por estes laboratórios.

16. Banco de sangue: Gerenciar seleção de fornecedores de insumos e garantir a correta aquisição dos materiais necessários para o trabalho. Gerir os recursos humanos que trabalharão no setor, desde a seleção até os processos de educação continuada. Implantar, atualizar e fiscalizar processos de trabalho e controle de qualidade sobre produtos e serviços. Supervisionar todos os laboratórios envolvidos no grande setor, entre outras inúmeras funções.

17. Banco de sêmen: Gerenciar recursos humanos, registro, acondicionamento, realização de exames nas amostras.

18. Biofarmácia: estudo e pesquisa de como as propriedades físico-químicas do fármaco, de sua forma farmacêutica e da via de administração interferem na velocidade e no grau de absorção dos medicamentos.

19. Biologia molecular: Análises genéticas e moleculares nos mais diversos âmbitos da saúde humana, desde a investigação diagnóstica até o acompanhamento de tratamentos.

20. Bioquímica clínica: Gerenciar laboratórios de análises clínicas, bem como, a realizar os mais diversos exames concernentes à bioquímica clínica.

21. Biotecnologia industrial: Atua na aplicação da biotecnologia para que se processe de forma sustentável a produção de químicos, materiais e mesmo combustíveis. 22. Citogenética;

23. Citologia clínica:

24. Citopatologia: Trabalha no diagnóstico patológico por meio de amostras observadas em microscópio.

25. Citoquímica;

26. Controle de qualidade de medicamentos: Controlar e garantir a qualidade dos medicamentos desde a aquisição das matérias primas até o pós venda.

27. Controle de qualidade de alimentos: Controlar e garantir a qualidade dos alimentos desde a aquisição das matérias primas até o pós venda.

28. Controle de qualidade e tratamento de água: Controlar e garantir a qualidade da água para manutenção da potabilidade.

29. Controle de vetores e pragas urbanas:

30. Cultura celular;

31. Dispensação;

32. Docência do ensino superior: Atua como docente em Universidades, Centros Universitários, Faculdades, institutos de pesquisa e etc.
33. Educação ambiental;
34. Educação em saúde;
35. Empreendedorismo;
36. Epidemiologia genética;
37. Estratégia Saúde da Família (ESF): Visa, sobretudo, a garantia do uso racional dos medicamentos, reduzindo os riscos e os custos da farmacoterapia.

38. Farmácia clínica domiciliar;
39. Farmácia clínica em cardiologia;
40. Farmácia clínica em cuidados paliativos;
41. Farmácia clínica em geriatria;
42. Farmácia clínica em hematologia: Atua em bancos de sangue e análises clínicas hematológicas.
43. Farmácia clínica em oncologia:
Atua na logística do medicamento, desde a escolha dos fornecedores até o recebimento, checagem e controle de qualidade das medicações. Deve garantir que sejam empregadas as boas práticas de armazenamento dos medicamentos, bem como, manipulá-los de forma a garantir a completa segurança do paciente e eficácia do tratamento.
44. Farmácia clínica em pediatria;
45. Farmácia clínica em reumatologia;
46. Farmácia clínica em terapia antineoplásica;
47. Farmácia clínica em unidades de terapia intensiva;
48. Farmácia clínica hospitalar: Compete a este profissional o acompanhamento direto da farmacoterapia do paciente por meio da conciliação medicamentosa, em que são verificados à beira do leito todos os medicamentos utilizados pelo paciente, bem como se o mesmo tem alergias a algum fármaco. Após, são registrados os dados e confrontados com os medicamentos prescritos na internação, evitando assim a superdosagem e consequentes problemas maiores.
49. Farmácia comunitária: Hoje é o principal empregador do farmacêutico, a Drogaria, onde há o contato direto com o paciente e pode ser colocado e vigor outras atuações do farmacêutico, como a atenção farmacêutica.
50. Farmácia hospitalar e outros serviços de saúde: O Farmacêutico Hospitalar tem a responsabilidade do gerenciamento de uma Farmácia Hospitalar, selecionando fornecedores, comprando medicamentos, participando da Comissão Farmacoterapêutica, dispensando e organizando medicamentos, bem como garantindo sua qualidade de armazenamento e conservação.
51. Farmácia magistral: O Farmacêutico Magistral atua na manipulação de medicamentos e cosméticos, bem como, no gerenciamento, seleção e controle de qualidade de produtos e serviços.
52. Farmácia oncológica;
53. Farmácia veterinária;
54. Farmacocinética clínica;
55. Farmacoeconomia;
56. Farmacoepidemiologia;
57. Farmacogenética;
58. Farmacogenômica;
59. Farmacologia clínica;
60. Farmacovigilância;
61. Garantia da qualidade;
62. Gases e misturas de uso terapêutico;
63. Genética;
64. Gerenciamento dos resíduos em serviços de saúde;
65. Gestão ambiental;
66. Gestão da assistência farmacêutica;
67. Gestão da qualidade;
68. Gestão de farmácias e drogarias;
69. Gestão de risco hospitalar;
70. Gestão e controle de laboratório clínico;
71. Gestão em saúde pública;
72. Gestão farmacêutica;
73. Gestão hospitalar;
74. Hematologia clínica;
75. Hemoderivados;
76. Hemoterapia;
77. Histocompatibilidade;
78. Histoquímica;
79. Homeopatia;
80. Imunocitoquímica;
81. Imunogenética;
82. Imunohistoquímica;
83. Imunologia clínica;
84. Imunopatologia;
85. Indústria de cosméticos;
86. Indústria de farmoquímicos;
87. Indústria de saneantes;
88. Indústria farmacêutica e de insumos farmacêuticos;
89. Logística farmacêutica;
90. Marketing farmacêutico;
91. Medicina tradicional chinesa-acupuntura;
92. Metodologia de ensino superior;
93. Micologia clínica;
94. Microbiologia clínica;
95. Microbiologia de alimentos;
96. Nanotecnologia;
97. Nutrição enteral;
98. Nutrição parenteral;
99. Nutrigenômica;
100. Parasitologia clínica;
101. Pesquisa clínica;
102. Pesquisa e desenvolvimento;
103. Pesquisa e desenvolvimento de alimentos;
104. Planejamento e gestão educacional;
105. Plantas medicinais e fitoterapia;
106. Produção de alimentos;
107. Radiofarmácia;
108. Reprodução humana;
109. Saúde ambiental;
110. Saúde coletiva;
111. Saúde do trabalhador;
112. Saúde ocupacional;
113. Segurança no trabalho;
114. Tecnologia de fermentação;
115. Termalismo social/crenoterapia;
116. Toxicogenética;
117. Toxicologia ambiental;
118. Toxicologia analítica;
119. Toxicologia clínica;
120. Toxicologia de alimentos;
121. Toxicologia de cosméticos;
122. Toxicologia de emergência;
123. Toxicologia de medicamentos;
124. Toxicologia desportiva;
125. Toxicologia experimental;
126. Toxicologia forense;
127. Toxicologia ocupacional;
128. Toxicologia veterinária;
129. Vigilância epidemiológica;
130. Vigilância sanitária;
131. Virologia clínica.

 

PUBLICADAS APÓS EDIÇÃO DA RESOLUÇÃO/CFF Nº 572, DE 25/04/2013

132. Floralterapia (Resolução nº 611/2015);
133. Perfusão sanguínea (Resolução nº 624/2016);
134. Saúde Estética (Resoluções nºs 573/2013, 616/2015 e 645/2017);
135. Vacinação (Resolução nº 654/2018).

 

Deve-se lembrar que muitas delas necessitam de especializações e registros específicos, para que possam ser exercidas, logo, em caso de dúvida, venha até a Urcamp e converse com o coordenador, professor Guilherme Bragança.

 

 

 

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...