ANO: 26 | Nº: 6588

Padre Jair da Silva

pejairs@yahoo.com.br
Pároco da Catedral
08/02/2020 Padre Jair da Silva (Opinião)

Vós sois o sal da terra e a luz do mundo (cf. Mt 5,13-14)


O sal e a luz são duas realidades essenciais para a vida, duas coisas que não existem em função de si mesmas. O sal existe para preservar e dar gosto aos alimentos; a luz existe para ajudar a ver aquilo que está à nossa volta. Todos os dias nós estamos em contato com o sal e a luz, muitas vezes sem nos dar conta da importância deles para a nossa vida.
Jesus nos diz que, como discípulos seus, somos uma presença diferenciada na sociedade. Somos na nossa essência sal e luz, pessoas que estão no mundo sem ser do mundo, pessoas que comunguem das alegrias e das esperanças, das dores e dos sofrimentos humanos, fazendo ecoar, principalmente com a nossa conduta diária, a alegria do Evangelho. Portanto, não deixe que o seu sal se estrague ou que sua luz se apague por aderir ao paganismo do mundo moderno.
"Vós sois o sal da terra" (Mt 5,13). Imaginemos uma comida sem sal. A nossa presença junto das pessoas deve ser como o sal: ajudá-las a recobrar o gosto pela vida. Quantas pessoas deixam de sentir gosto pela vida, deixam de ver sentido na vida quando passam por uma dificuldade. A maneira como nós nos fazemos presente junto dessas pessoas pode ajudá-las a recuperar o sentido da vida.
Há uma outra função do sal, menos percebida por nós hoje em dia: na época de Jesus, o sal servia para preservar os alimentos, evitando o apodrecimento. Há muita "coisa" apodrecendo perto de nós: não somente pessoas, mas valores, atitudes, instituições, o sentido do bem comum, o meio ambiente, o planeta Terra. Os nossos hábitos devem contribuir para preservar a vida à nossa volta.
Procuremos perceber se há coisas em nós correndo o risco de apodrecer e que precisam ser preservadas. "Se o sal se tornar insosso, não servirá para mais nada" (Mt 5,13). Se nós nos deixamos levar pela onda do relativismo, corrompendo nossa consciência e permitindo que os nossos valores apodreçam, "não servimos para mais nada", isto é, deixamos de cumprir nossa missão de preservar a vida no pequeno espaço em que Deus nos colocou, e deixamos de ajudar as pessoas a recuperarem o sentido pela própria vida. Portanto, tenhamos sal em nós mesmos!
"Vós sois a luz do mundo" (Mt 5,14). Imaginemo-nos num ambiente sem luz, tentando nos ver num espelho ou andando por nossa casa totalmente escura. Na verdade, nós não somos a luz; Cristo é a luz. O nosso iluminar depende de estarmos em contato com Aquele que é a verdadeira luz, por meio da oração. O cuidado está na diferença entre brilhar e iluminar. Brilhar está em função de si mesmo. Iluminar está em função dos outros. Numa sociedade narcisista como a nossa, muitos querem brilhar. Quem procura brilhar vive constantemente esmolando a atenção e o reconhecimento dos outros. Jesus disse: "Brilhe a vossa luz diante dos homens, para que, vendo as vossas boas obras, eles glorifiquem vosso Pai que está nos céus" (Mt 5,16). A glorificação deve ser dada a Deus Pai, não a nós. Quem ilumina aponta para Deus. Quem brilha aponta apenas para si.
A nossa presença no mundo, portanto, é essencial. Da mesma forma como não tem sentido pescar em aquário, não tem sentido dar testemunho da nossa fé somente dentro da igreja. É na família, no trabalho, no ambiente de estudo, na rua, que o nosso sal e a nossa luz são necessários.
Enfim, não nos deixemos vencer pelo medo, pela timidez, pela acomodação. Vamos nos inserir no seio da humanidade e com a nossa presença diferenciada, vamos, com todas as nossas forças e imbuídos de profunda alegria, viver a nossa essência de sermos sal e luz. Ou seja, vamos com o nosso sal dar e ou devolver o sentido da vida às pessoas e com a nossa luz apontar Aquele que é a verdadeira luz do mundo, Jesus Cristo nosso Senhor.

Pe. Jair da Silva
pejairs@yahoo.com.br
(55) 997051832

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...