ANO: 26 | Nº: 6590
11/02/2020 Fogo cruzado

Reforma administrativa deve ser votada neste semestre

Foto: Tânia Rego/AgênciaBrasil

Presidente da Câmara se manifestou, ontem, para empresários, na sede da Firjan
Presidente da Câmara se manifestou, ontem, para empresários, na sede da Firjan

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse, ontem, que espera aprovar a reforma administrativa ainda no primeiro semestre deste ano. Conforme apurado pela Agência Brasil, ele ressaltou, no entanto, que as disputas em torno da reforma tributária, já em tramitação na Casa, devem ser maiores do que as da administrativa, mesmo admitindo que pode haver conflito com os servidores públicos.

"Claro que todos os sistemas onde a gente tem distorções estão beneficiando alguém e prejudicando milhões. Não é diferente nem no administrativo nem no tributário. Então, enfrentamentos nós teremos, mais no tributário do que no administrativo, já que o governo decidiu que é melhor uma reforma para os novos servidores", mencionou.

Em palestra para empresários, em café da manhã na Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), Maia destacou que os servidores públicos devem ser tratados com respeito e que o uso de termos pejorativos atrapalha o debate. "Todos devem ser tratados com muito respeito. Eu acho que o enfrentamento feito com termos pejorativos, que gera muito conflito, nos atrapalha no nosso debate, de mostrar a alguns setores que a sociedade não aceita mais concentrar riqueza para muito poucos", disse, se referindo à declaração, na sexta-feira (7), do ministro da Economia, Paulo Guedes, que classificou os funcionários públicos como "parasitas", em palestra na Fundação Getúlio Vargas.

Para Maia, o fato de a proposta de reforma administrativa tratar apenas dos novos servidores, vai ajudar a diminuir os conflitos e ajuda na tramitação, "para que a gente possa concentrar nossos esforços na reforma tributária". O presidente da Câmara dos Deputados disse que o debate não pode ser feito com soluções que beneficiem apenas uma parcela da população. "Eu tenho me esforçado pessoalmente para que a gente consiga fazer um debate sério. Às vezes alguns vêm para o debate com informações que não são verdadeiras e ficam inventando soluções que só resolvem seus próprios problemas. Achar que criar uma nova CPMF [Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira], que vai ser o imposto único, com essa quantidade de problemas tributários que nós temos, e que isso ainda vai desonerar a folha, não está trabalhando com dados corretos", concluiu.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...