ANO: 26 | Nº: 6545

Fernando Risch

fegrisch@gmail.com
Escritor
13/03/2020 Fernando Risch (Opinião)

É só uma marolinha

Charles Robert Darwin, segundo sua página na Wikipedia, "foi um naturalista, geólogo e biólogo britânico, célebre por seus avanços sobre evolução nas ciências biológicas.". A ele é popularmente creditado a teoria da evolução das espécies a partir da seleção natural, mas o que nem todos sabem é que ele divide seu trabalho com o Alfred Russel Wallace, que, segundo sua página na Wikipedia, "foi um naturalista, geógrafo, antropólogo e biólogo britânico".

Esqueçamos Alfred Wallace e foquemos em Darwin, o mais famoso dos evolucionistas, o Elvis Presley da biologia, aquele que ofusca o parceiro e leva mais créditos pelo trabalho. No nosso mundo moderno, de ultra-conexões e exposições, das bilhões de idiotices que circulam por aí, sem dúvidas, a mais fenomenal delas é o "Darwin Award", ou, em bom português, o Prêmio Darwin.

A premiação se dá a todo aquele indivíduo humano, bípede, com polegar opositor e telencéfalo altamente desenvolvido, que, por pura simplorice de sua existência, se coloca frente a uma situação na qual a Seleção Natural das Espécies age trazendo à prática a si próprio o que a teoria ensina.

O Darwin Award é lindo por criar um novo nicho na teoria evolutiva daquele que lhe dá o nome (ah, quem dera Darwin vivesse em nossos tempos para ver as maravilhas do mundo moderno!): nos anos 20, não é o mais fraco que sucumbe ao mais forte, é o mais idiota que sucumbe ao menos idiota, por uma pura preferência natural, levando em conta que todos somos grandes idiotas, mas alguns gostam de se orgulhar disso e o fazem com mais intensidade.

Nesses novos tempos de circuit breaks em sequência, nada como uma bela pandemia para testar nossa fé para com nossas próprias crenças. Por exemplo, alguns acham que o nosso amigo de todas as horas e noticiários, o coronavírus, é uma fantasia, uma pequena coisa, uma crisezinha, ou, como diriam em outros tempos, apenas uma marolinha. Bem, pode ser que seja ou pode ser que não seja.

Sei que algumas pessoas não andam acreditando muito nesta doença pandêmica que já matou 5 mil pessoas e fechou países, sei também que tem outros que nem em vacinas levam fé. Mas tudo bem, eu hei de não me preocupar. Porque a Terra pode ser plana para algumas pessoas, o que não muda nada suas existências; para todas as outras coisas, como a descrença numa agulha com a cura para uma doença, bom, para isso existe o Darwin Award.

E que grande competição teremos esse ano!

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...