ANO: 26 | Nº: 6542
23/03/2020 Esportes

O dia que nem os quero-queros pousaram nos pagos do futebol

Foto: Yuri Cougo Dias

por Yuri Cougo Dias

A alegria, o vício, o refúgio, a sustentação, o entretenimento, ou para muitos, a profissão. Intrínseco na cultura popular brasileira, o futebol é a invocação dos mais diversos sentimentos humanos. Na tela que separa o concreto das arquibancadas para o palco do espetáculo (ou peleia, para os gaúchos), o maluco torcedor esbraveja com o juiz, pula, se emociona. Quando volta para casa, se o time o ganhou, a festa está garantida. Mas, se o time perdeu, o maluco torcedor expulsará seus mais temidos demônios.
Este é o clima que impera nas tardes de domingo para muitos dos brasileiros. Mas no último, os templos esportivos estavam silenciosos, desocupados. Talvez nem os famosos quero-queros, tão participativos nas partidas de futebol (às vezes, um pouco agressivos) tenham comparecido. Aos domingos de futebol, a ansiedade começa já cedinho.
Quando se passa em frente ao estádio e o mastro com a bandeira do clube está erguido, é um sinal de que hoje tem mais uma batalha a ser guerreada pelo time do coração. Depois, é a vez do churrasco ao meio-dia, seja em família ou com as amizades. E é nesse ambiente, regado a uma suculenta costela e uma cerveja bem gelada (refri para os que não consomem álcool) que os palpites, as cornetas surgem. É o aquecimento tão necessário.
Chegando ao estádio, se não comprou o ingresso antecipado, é hora de entrar na fila da bilheteria. Quando a fila é grande, a oportunidade é boa para fazer uma nova amizade, e claro, falar mal do treinador ou do jogador A ou B, como um fiel adepto a “turma do amendoim”. E por falar de amendoim, se o torcedor tem uma grana sobrando na carteira, sempre dedica uns pilas para comprar uma carapinha, amendoim ou uma pipoca. Ah, convenhamos, não há pipoca melhor que a feita dentro de um estádio de futebol (desculpe, amantes das salas de cinema).
Passado o churrasco e a gelada do meio-dia, ingresso e pipoca comprados, é hora de se concentrar no jogo e sofrer ou esbravejar de alegria. No entanto, neste último domingo, isto não foi possível, para tristeza de muitos.
Se alguém procura futebol raiz, o interior ainda preserva. Sem os preços tão abusivos dos estádios da Copa do Mundo, o povão ainda frequenta o Antônio Magalhães Rossell e o Pedra Moura. Porém, precisaremos esperar um pouco mais para contemplar a Divisão de Acesso e os tão aguardados clássicos Ba-Guas. Mas, futebol, por mais apaixonante que seja, não é a coisa mais importante neste momento. Então, cuidemo-nos dentro dos nossos lares, para que, em breve, possamos estar de volta aos palcos esportivos, esbravejando por nossos times do coração.

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...